Primeiro membro do MP a governar, Taques vê sua gestão desmoronar

O tucano Pedro Taques, primeiro membro do MP a governar, vê sua gestão desmoronar no Mato Grosso; o Estado vive um caos generalizado, com reflexos inclusive no atendimento básico de saúde à população; na capital, a população convive diariamente com quilômetros de trilhos abandonados do VLT, obra da Copa que já consumiu R$ 1,066 bilhão; desse total, R$ 18 milhões são propina, segundo delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), homologada em julho pelo STF; ao todo, o grupo de Barbosa desviou cerca de R$ 1,03 bilhão, segundo levantamento da Controladoria-Geral do Estado 

Entrevista do Senador Pedro Taques, ap�s reuni�o da Comiss�o Mista de Consolida��o da Legisla��o Federal para apresenta��o do texto do projeto de lei complementar que regulamentar� a emenda constitucional do trabalho dom�stico (EC 72/2013)
Entrevista do Senador Pedro Taques, ap�s reuni�o da Comiss�o Mista de Consolida��o da Legisla��o Federal para apresenta��o do texto do projeto de lei complementar que regulamentar� a emenda constitucional do trabalho dom�stico (EC 72/2013) (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O caos na saúde tem sido apontado como o principal reflexo das centenas de milhões de reais desviados em Mato Grosso nos últimos anos, mas está longe de ser o único problema de gestão pública.

Na capital, a população convive diariamente com quilômetros de trilhos abandonados do VLT, obra da Copa que já consumiu R$ 1,066 bilhão. Desse total, R$ 18 milhões são propina, segundo delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), homologada em julho pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ao todo, o grupo de Barbosa desviou cerca de R$ 1,03 bilhão, segundo levantamento da Controladoria-Geral do Estado baseado nas informações da delação. É o equivalente a quase oito anos de orçamento do pronto-socorro, que custa cerca de R$ 11 milhões/mês.

"O Estado hoje está enfrentando dificuldades gravíssimas", diz o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Mauro Curvo. "Elas vêm da roubalheira, do endividamento das obras da matriz da Copa e da gestão. Só não é pior porque, por mais que haja recessão econômica, a arrecadação total não cai por conta do agronegócio."

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), é um dos sete políticos que aparecem recebendo dinheiro em vídeos gravados por Sílvio Corrêa, então chefe de gabinete de Silval, que governou o Estado de 2010 a 2015.

Diante de tudo isso, a gestão do tucano Pedro taques, primeiro membro do MP a governar, derrete, e os problemas de administração seguem se acumulando.

As informações são de reportagem de Fabiano Maisonnave na Folha de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247