Procon fecha Carrefour por vender produtos vencidos

Funcionamento da unidade do Tiet, na zona norte da capital de So Paulo, ser suspenso pelo prazo de 12 horas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - A Fundação Procon de São Paulo (Procon-SP) suspendeu hoje (14), pelo prazo de 12 horas, o funcionamento do hipermercado Carrefour Tietê, localizado na Avenida Morvan Dias Figueiredo, no bairro Vila Guilherme, zona norte da capital paulista. Segundo o Procon-SP, a sanção foi aplicada por causa da exposição e venda de produtos vencidos aos consumidores.

“O Carrefour, assim como qualquer outro fornecedor reincidente em uma prática de maior gravidade - como é essa que compromete a saúde do consumidor pela venda de produto com prazo de validade vencida, está sujeito à aplicação de uma pena mais severa prevista em lei”, explicou Renan Bueno Ferraciolli, diretor de fiscalização do órgão.

Em entrevista à Agência Brasil, Ferraciolli disse que os técnicos do Procon-SP já tinham presenciado a comercialização de produtos vencidos por esta unidade do Carrefour em mais de uma oportunidade, aplicando multas ao hipermercado. Desta vez, pela reincidência, a unidade da Vila Guilherme teve que fechar suas portas entre as 8h e 20h de hoje e recebeu uma multa de R$ 87.680.

A suspensão temporária da atividade do hipermercado tem, segundo o órgão de defesa do consumidor, um caráter pedagógico para que os fornecedores passem a adotar medidas mais eficazes para garantir a qualidade dos produtos à venda. Caso o Carrefour continue a vender produtos vencidos, “essa sanção pode ser aplicada com mais tempo de fechamento”, declarou Ferraciolli.

Segundo ele, o consumidor que encontrar um estabelecimento com produtos com prazo de validade vencida deve, primeiramente, se dirigir ao responsável pelo próprio estabelecimento e informar o fato para que o produto seja imediatamente retirado da prateleira. O consumidor também pode fazer uma denúncia ao Procon-SP pessoalmente nos postos do Poupatempo Sé, Santo Amaro e Itaquera, por fax (11) 3824-0717, pelo telefone 151 ou procurar o órgão de defesa do consumidor instalado em seu município.

“O consumidor tem que ficar muito atento à validade porque ela é estabelecida pelo fabricante justamente para garantir que aquele produto, quando consumido, não provoque qualquer tipo de reação adversa”, ressaltou Ferraciolli.

Por meio de nota, o Carrefour confirmou que as atividades do hipermercado foram suspensas hoje e informou que “participa ativamente de um grupo técnico, promovido pelo órgão (Procon-SP), para desenvolvimento de ações que promovam a melhoria contínua dos serviços prestados em suas lojas”.

A partir do dia 1º de outubro, o Procon-SP vai fazer uma campanha com os supermercados de São Paulo filiados à Associação Paulista de Supermercados para educar o consumidor sobre a importância de se observar a data de validade dos produtos. “Por meio dessa campanha, toda vez que o consumidor encontrar um produto vencido na loja, ele ganhará outro, com validade, gratuitamente”, explicou o diretor do Procon.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247