Procurador e advogado acusados de beneficiar JBS são libertados pelo STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta terça-feira a libertação do procurador da República Ângelo Goulart e do advogado Willer Thomaz, que estão presos há dois meses, em decorrência da delação premiada do dono da JBS, Joesley Batista; Goulart teria acertado o recebimento de mesada de R$ 50 mil da empresa por intermédio do advogado para, em troca, repassar informações sobre a operação Greenfield; os dados vazados são sobre fraudes em fundos públicos de pensão e favorecimento a uma empresa de celulose controlada pelo conglomerado J&F, que também controla o frigorífico JBS

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta terça-feira a libertação do procurador da República Ângelo Goulart e do advogado Willer Thomaz, que estão presos há dois meses, em decorrência da delação premiada do dono da JBS, Joesley Batista; Goulart teria acertado o recebimento de mesada de R$ 50 mil da empresa por intermédio do advogado para, em troca, repassar informações sobre a operação Greenfield; os dados vazados são sobre fraudes em fundos públicos de pensão e favorecimento a uma empresa de celulose controlada pelo conglomerado J&F, que também controla o frigorífico JBS
O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta terça-feira a libertação do procurador da República Ângelo Goulart e do advogado Willer Thomaz, que estão presos há dois meses, em decorrência da delação premiada do dono da JBS, Joesley Batista; Goulart teria acertado o recebimento de mesada de R$ 50 mil da empresa por intermédio do advogado para, em troca, repassar informações sobre a operação Greenfield; os dados vazados são sobre fraudes em fundos públicos de pensão e favorecimento a uma empresa de celulose controlada pelo conglomerado J&F, que também controla o frigorífico JBS (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter – repórter da Agência Brasil

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (1º) conceder liberdade ao procurador da República Ângelo Goulart Villela e ao advogado Willer Thomaz, presos pela Polícia Federal (PF) em maio a partir de investigações envolvendo as delações da JBS.

Os acusados foram beneficiados pela soltura devido ao empate de dois votos a favor e dois contra a liberdade, ocorrido na votação. Nesses casos, de acordo com norma interna do STF, o empate favorece os acusados.

Durante a votação, o relator do caso, Edson Fachin, e Celso de Mello votaram pela impossibilidade de análise da legalidade da prisão por uma questão processual. Os ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes votaram pela concessão da liberdade por entenderem que o procurador e o advogado podem responder ao processo em liberdade. Dias Toffoli não participou da sessão.

Com a decisão, Villela e Thomaz deverão cumprir medidas cautelares, como comparecimento periódico à Justiça, proibição de deixar o país e não manter contato com os demais investigados. O procurador também deverá ficar afastado do cargo, mas poderá receber salário de R$ 28 mil.

Para as defesas do procurador e do advogado, as prisões foram decretadas com base em "inverdades" dos acordos de delação e "desprovidas de indícios mínimos capazes de atestar o eventual cometimento dos ilícitos".

De acordo com as investigações, Villela atuava como informante do empresário Joesley Batista, dono e um dos delatores da JBS, nas investigações que envolvem a empresa na Justiça Federal em troca de recebimento de R$ 50 mil mensais. Willer Thomaz também é investigado pelos mesmos fatos.

Antes de ser preso, o procurador atuava como assessor da Procuradoria-Geral Eleitoral junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também participou da força-tarefa do caso Greenfield, que apura suspeitas de irregularidades em quatro dos maiores fundos de pensão do país, processos nos quais a JBS é investigada.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247