Queimadas da Amazônia podem levar ao aumento de casos de câncer de pulmão na população

Segundo o médico pneumologista Alexandre Milagres, os incêndios na floresta amazônica provocam doenças especialmente no aparelho respiratório e no aparelho cárdio-cerebrovascular

(Foto: REUTERS/Bruno Kelly)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - Um estudo divulgado nesta quarta-feira (26) mostrou que cerca de 2.195 pessoas foram hospitalizadas por problemas respiratórios causados pela inalação de ar poluído pela fumaça das queimadas que atingem a Amazônia.

O levantamento é uma parceria entre o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), Instituto de Estudos de Políticas de Saúde (IEPS) e a Human Rights Watch (HRW).

Entre as pessoas afetadas, há 467 bebês e 1.080 idosos com mais de 60 anos, que correspondem a 70% das hospitalizações, informou o relatório.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Alexandre Milagres, médico pneumologista, elogiou o estudo feito pelo grupo e disse que as queimadas têm trazido efeitos negativos para a saúde da população da região.

"É inegável que essas queimadas na Amazônia têm contribuído muito para o adoecimento da população, principalmente daquela área. Também tem gerado um número imenso de internações de pessoas adultas, idosas e crianças, com efeito até na saúde neonatal", afirmou.

Alexandre Milagres explicou que os incêndios na floresta amazônica provocam doenças especialmente no aparelho respiratório e no aparelho cárdio-cerebrovascular.

"Quando a gente analisa com detalhe as doenças provocadas pela inalação das fumaças produzidas pelas queimadas a gente vê um aumento muito grande das alterações que a gente chama de inflamatórias. Nós temos desde onde o ar passa, pelo nariz, caso de rinite, caso de faringite, laringite, de bronquite. Essas bronquites podem ser bronquites agudas ou podem mesmo levar a bronquites crônicas. A gente nota também uma descompensação dos casos de asma ou de enfisema", explicou.

O médico pneumologista chamou atenção para o fato que muitas substâncias ao serem expostas aos raios ultravioleta se tornam mais tóxicas ao organismo.

"Muitas substâncias são aditivadas, por assim dizer, pelos raios ultravioleta e se transformam muitas vezes em substâncias mais tóxicas e mais inflamatórias do que as próprias substâncias inaladas naturalmente", destacou.

A exposição desses elementos aos raios ultravioleta pode inclusive causar câncer de pulmão nas pessoas que são afetadas, segundo Alexandre Milagres.

"A gente vê um número muito aumentado de diagnóstico de câncer de pulmão em pacientes expostos a esse tipo de fumaça, de fuligem de cinza. Já está sendo detectada a alteração no DNA das células, as células estão afetadas tão profundamente que seu DNA está sendo transformado o que a longo prazo pode gerar uma quantidade inestimável de casos de câncer de pulmão e de outros sítios", disse.

Dados do governo federal mostram que o número de incêndios na Amazônia brasileira aumentaram 28% frente a julho de 2019, chegando a 6.803 focos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247