Raimundo Bonfim convoca população contra a reforma da Previdência

Coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim falou à TV 247 sobre as mobilizações que ocorrerão no dia 22 de março em defesa da aposentadoria e contra a destruição da Previdência; "Se aprovarem essa reforma é mais fácil acertar na loteria do que um cidadão brasileiro se aposentar de forma integral", ironiza; assista

Raimundo Bonfim convoca população contra a reforma da Previdência
Raimundo Bonfim convoca população contra a reforma da Previdência

247 - O coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, convocou a população para os atos contra a reforma da Previdência no dia 22 de março que ocorrerão nas principais capitais do país. Ele afirma que esta é a principal batalha do ano para a classe trabalhadora.

Raimundo Bonfim disse que a importância destes atos é assegurar o direito à aposentadoria e evitar a destruição da seguridade social. "O dia 22 para nós é muito importante porque vamos iniciar uma batalha que julgamos a principal batalha desse semestre, ou até de 2019, que á a batalha para defender o direito à aposentadoria e impedir a destruição total dos sistemas de seguridade social".

Ele reforçou que a reforma da Previdência afetará todas as outras pautas das militâncias brasileiras, inclusive a luta das mulheres. "Todas as nossas batalhas de 2019 têm de estar subordinadas a esta. A luta por moradia, saúde, emprego, renda, das mulheres, porque esta é a maior política pública do nosso país. As mulheres, que são a grande maioria nos movimentos sociais e nas periferias, serão as mais atingidas".

O coordenador lembrou que os critérios propostos pela reforma para o cidadão receber a aposentadoria integral são inalcançáveis. "Se aprovarem essa reforma é mais fácil acertar na loteria do que um cidadão brasileiro se aposentar de forma integral, porque 65 anos de idade e 40 de contribuição é impossível".

Bonfim ainda disse que a permanência de Bolsonaro no governo depende do sucesso da reforma da Previdência. "A sobrevida do governo Bolsonaro depende de ele aprovar a reforma da Previdência. Ele tem que entregar esse 'filé mignon' para o sistema financeiro. Se ele não entregar, está liquidado. Para nós, da esquerda, dos movimentos sociais e do campo político é fundamental derrotá-lo nesta questão".

O coordenador da CMP disse que, em São Paulo, a mobilização ocorrerá no dia 22 às 17h na Av. Paulista, em frente ao MASP. Para consultar onde serão os atos em outras localidades do país, basta acessar o site da Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247