Reflexões sobre um ano da lei do auxílio emergencial e os caminhos para uma renda básica permanente

"Uma renda básica precisa caminhar na direção da universalidade. Como o SUS nos ensina, no momento em que todos serão afetados, e não apenas aqueles que contraírem a Covid-19, precisamos de garantias que valham para todos os brasileiros", afirma Paola Carvalho, diretora de Relações Institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Por Paola Carvalho* -  Dia 2  de abril, a próxima sexta-feira, comemoramos um ano da sanção da Lei 13.982/2020, que instituiu a renda básica emergencial no valor de R$600,00 e R$1.200,00 para mães-solo que estivessem na condição de trabalhadores informais, autônomos ou Microempreendedor Individual (MEI), pelo período de três meses, tendo sido prorrogada por apenas dois meses. 

Por lei, a população brasileira foi protegida pela política de renda emergencial pelo período de abril a agosto; depois, de setembro a dezembro, por Medida Provisória, com valores reduzidos e ampliação dos critérios de elegibilidade.

Vale ressaltar a ampla discussão que se instalou no país, que permaneceu por longas semanas, com mobilização e pressão de organizações, movimentos sociais, cidadãos, economistas, influenciadores de diferentes correntes de pensamento, além dos parlamentares, que trouxeram a discussão da renda básica emergencial como forte instrumento para enfrentar os impactos do coronavírus nas famílias brasileiras.  Impactos tanto do ponto de vista sanitário e de distanciamento, quanto do ponto de vista da sobrevivência com dignidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2020, foram injetados na economia aproximadamente R$ 321,8 bilhões, creditados para mais de 67,8 milhões de pessoas. Dos elegíveis para o programa, 19,2 milhões são aprovados via Bolsa Família, 10,5 milhões pelo Cadastro Único e 37,2 milhões por meio do site ou aplicativo. Mais de 126,2 milhões de pessoas foram beneficiadas direta ou indiretamente, levando em conta os contemplados e seus familiares. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na extensão, com a redução de 13 milhões de pessoas beneficiadas, os impactos negativos já ficaram evidentes, colocando mais de 7 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza, número que pulou para 17 milhões em dezembro, com o término do benefício.

No entanto, mesmo com muitas dificuldades de implementação e a adoção de medidas equivocadas, a renda emergencial se apresentou como um caminho para garantir proteção social e dignidade. Estudos da FGV mostram que o auxílio retirou 15 milhões de pessoas da carência financeira e reduziu em 23,7% a pobreza no país, no auge do benefício. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O estudo da renda per capita, segundo a PNAD Covid, mostra aumento da renda entre os mais pobres. Entre o terço mais pobre do país, o auxílio foi responsável por mais de 55% da renda; entre o terço mais rico, tal proporção fica em torno de apenas 1,5%.

Caso o auxílio emergencial não tivesse sido adotado, o rombo estimado do PIB brasileiro no ano passado seria de 8,4% a 14,8%, segundo estimativa do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da FEA-USP. O estudo confirma, portanto, que o auxílio impediu uma recessão ainda mais profunda no Brasil em 2020. Por causa da adoção do programa de renda emergencial, o tombo do PIB brasileiro que ficou em 4,1%, foi abaixo de outros países,  como Argentina e México.

Mesmo com todos esses dados disponíveis, em 2021 o auxílio emergencial sofrerá um corte abrupto no número de beneficiários e nos valores dos benefícios. Tivemos a chantagem em forma da PEC emergencial. Com ela, a aprovação de um teto de R$44 bilhões para execução do programa. Resultado: a consequente redução do valor do benefício para apenas R$150, R$250 ou R$375 e 24 milhões de beneficiários a menos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que precisamos comemorar neste um ano da lei da renda emergencial? É que os caminhos abertos pela Lei Federal N° 10.835, sancionada em 8 de Janeiro de 2004, de autoria do então Senador Eduardo Suplicy, conseguiu ganhar muitos adeptos e revelar a sua amplitude e sua necessidade. A renda básica universal e incondicional pode ser um caminho para garantir segurança alimentar para todos. 

A obtenção desse recurso deve ser vista, acima de tudo, como um direito, o que fica ainda mais nítido neste cenário de pandemia e estagnação econômica. Há alguns anos, essa política tem sido defendida, em muitos países, como caminho para a proteção social no século XXI. 

Uma renda básica precisa caminhar na direção da universalidade. Como o SUS nos ensina, no momento em que todos serão afetados, e não apenas aqueles que contraírem a Covid-19, precisamos de garantias que valham para todos os brasileiros. Os efeitos positivos vão além do econômico, pois indica que a sociedade se constrói sobre uma base comum, coletiva e humana.

*Paola Carvalho é diretora de Relações Institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica, uma das organizações envolvidas na campanha #auxilioateofimdapandemia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email