“República brasileira segue tutelada pelo poder militar”, diz Haddad

O ex-presidenciável petista Fernando Haddad argumentou na TV 247 que as Forças Armadas detêm um poder político desproporcional a seu devido lugar no Brasil. Para ele, o país não foi capaz de se livrar desta herança dos tempos de Império. Assista

(Foto: Renan/causaoperaria.org.com, moro/apublica.org)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidenciável Fernando Haddad, em entrevista à TV 247, argumentou que o Brasil não conseguiu se livrar da herança do Império no que diz respeito à influência das forças militares no poder político. Para ele, as Forças Armadas seguem sendo altamente detém muito mais prestígio do que deveriam.

Questionado sobre sua perspectiva sobre o fator militar no Brasil, que vê seu presidente alinhado com forças policiais e o exército, fator que ameaça a democracia, Haddad disse: “Olha, eu comungo com os maiores historiadores do Brasil que escreveram sobre o tema, e nós discutimos a tese de que nossa República segue tutelada pelo poder militar”, afirma. 

O ex-presidenciável defendeu sua tese com um argumento histórico: “E é absolutamente dispensável o poder militar como tutela. Isso marcou o Império. Nós não nos livramos disso na República”, diz Haddad.

“Essa questão foi alvo de longos debates na República o poder das Forças Armadas como poder moderador substituindo a figura do imperador. Isso caiu por terra nos debates da Constituição de 1891. No entanto, ainda hoje temos juristas, ou melhor, advogados que posam de juristas, invocando o artigo 142”, acrescenta.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email