Salles segue recomendação de Bolsonaro e coloca militares em postos de comando

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiu trocar o comando de áreas-chave do ministério. A diretoria do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (IMCBio) agora estão sob a tutela de oficais das Forças Armadas e da Polícia Militar, medida que segue a recomendação de Bolsonaro para dar fim ao "arcabouço ideológico" no setor,

Salles segue recomendação de Bolsonaro e coloca militares em postos de comando
Salles segue recomendação de Bolsonaro e coloca militares em postos de comando (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiu trocar o comando de áreas-chave do ministério. A diretoria do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (IMCBio) agora estão sob a tutela de oficais das Forças Armadas e da Polícia Militar, medida que segue a recomendação de Bolsonaro para dar fim ao "arcabouço ideológico" no setor, segundo noticiou a Jovem Pam. 

Na quinta-feira, 18, Salles exonerou o diretor de planejamento do Ibama, Luiz Eduardo Nunes, servidor de carreira do órgão federal. O posto deve ser ocupado por Luis Gustavo Biagioni, recém-aposentado da PM de São Paulo, onde trabalhou na polícia ambiental como major e tenente-coronel.

Na quarta-feira, 17, foi confirmada a indicação do comandante da PM Ambiental de São Paulo, coronel Homero de Giorge Cerqueira, para ser o presidente do ICMBio. Um dia antes, ele nomeara Davi de Souza Silva, também de formação militar, para a regional do Ibama em São Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247