Seis presos são decapitados em rebelião no AM

A OAB-AM informou que a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, já dura mais de 15 horas; nove reféns foram liberados e sete ainda estão no local; de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), trata-se de uma possível briga entre facções; fugas também foram registradas; a pasta também informou que seis pessoas foram decapitadas e os corpos foram jogados para fora do presídio

A OAB-AM informou que a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, já dura mais de 15 horas; nove reféns foram liberados e sete ainda estão no local; de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), trata-se de uma possível briga entre facções; fugas também foram registradas; a pasta também informou que seis pessoas foram decapitadas e os corpos foram jogados para fora do presídio
A OAB-AM informou que a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, já dura mais de 15 horas; nove reféns foram liberados e sete ainda estão no local; de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), trata-se de uma possível briga entre facções; fugas também foram registradas; a pasta também informou que seis pessoas foram decapitadas e os corpos foram jogados para fora do presídio (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) informou que a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, já dura mais de 15 horas. Nove reféns foram liberados e sete ainda estão no local. O motim começou na tarde do domingo (1º). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), trata-se de uma possível briga entre facções. Fugas também foram registradas.

A pasta informou que os corpos de seis pessoas, não identificadas, foram jogados para fora do presídio, sem as cabeças.

Segundo a SSP-AM, até 20h50 (22h50 no horário de Brasília), 12 agentes carcerários foram mantidos reféns. Outros funcionários que estavam na unidade prisional escaparam. Presos também são feitos reféns, mas não há precisão em números.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email