Senado reage a Bolsonaro e muda regras para uso de armas na zona rural

Senado reagiu à edição de três decretos referentes à posse e porte de armas de fogo editados pelo presidente Jair Bolsonaro e aprovou, em uma votação relâmpago , um projeto que possibilita o uso de armas para produtores rurais em toda a extensão da propriedade e não mais apenas na sede; textos alteram o Estatuto do Desarmamento e precisam passar pela Câmara

(Foto: Ag. Senado | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Senado reagiu rapidamente à edição de três decretos referentes à posse e porte de armas de fogo editados pelo presidente Jair Bolsonaro e aprovou, em uma votação relâmpago , um projeto que possibilita o uso de armas para produtores rurais em toda a extensão da propriedade e não mais apenas na sede. Os parlamentares também aprovaram um outro texto que permite que moradores zona rural possam adquirir armas de fogo a partir de 21 anos para a segurança da família e da propriedade. Os textos alteram o Estatuto do Desarmamento e precisam ser votados pela Câmara. 

Outros quatro projetos referentes ao uso de armas de fogo por civis foram protocolados no Senado apenas nesta quarta-feira (26) e um deles do PSL, partido do presidente, recupera integralmente o decreto editado em maio que flexibilizava o porte.

O Congresso e o Executivo estão em rota de colisão no que diz respeito ao uso de armas pela população civil. Enquanto o governo tenta flexibilizar a posse o porte, parte do congresso, além da sociedade civil, temem que a violência aumente em função da maior circulação de armas de fogo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247