'STF vai se calar diante da imoralidade de Bolsonaro?', questiona Marcia Tiburi sobre a ameaça de golpe

Filósofa Marcia Tiburi cobrou uma reação concreta da Suprema Corte à revelação de que Bolsonaro cogitou fechar o STF. "Qual será a atitude legal e moralmente consistente que o STF terá diante da atitude de Bolsonaro?", questionou

Marcia Tiburi e Jair Bolsonaro
Marcia Tiburi e Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A filósofa e escritora Marcia Tiburi cobrou nesta quarta-feira, 5, uma reposta do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre as revelações de que Jair Bolsonaro cogitou executar um golpe de estado com o envio de tropas para fechar a Suprema Corte. 

"Qual será a atitude legal e moralmente consistente que o @STF_oficial terá diante da atitude de Bolsonaro? Diante da imoralidade presidencial, o STF vai se calar?", questionou Tiburi pelo Twitter.

Segundo a revelação feita pela revista Piauí, no dia 22 de maio, Bolsonaro teria comunicado a ministros militares que iria enviar tropas para fechar o STF, depois que o ministro Celso de Mello pediu um parecer à PGR sobre a apreensão de seu celular e do filho Carlos Bolsonaro

Segundo a Piauí, a ideia de intervir no STF foi feita uma reunião com os ministros militares Walter Braga Neto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional. 

A decisão teria sido bem recebida por Luiz Ramos, mas Braga Netto e o general Heleno teriam argumentado o contrário. “Não é momento para isso”, teria dito o ministro do GSI.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247