Temer descarta risco de intervenção militar por greve de caminhoneiros

Michel Temer afirmou que não há risco de intervenção militar em decorrência da paralisação de caminhoneiros; apesar da redução no preço do litro do óleo diesel, Temer descartou reverter as reformas realizadas pela Petrobras para garantir a independência da estatal; ele disse, ainda, que o governo poderá ingressar com uma ação junto ao STF para que seja declarada ilegal a greve convocada por petroleiros para quarta-feira

michel temer
michel temer (Foto: Paulo Emílio)

Reuters - O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira que não há risco de intervenção militar em decorrência da paralisação de caminhoneiros, apesar de alguns manifestantes defenderem um golpe militar para derrubar o governo.

Em entrevista a um pequeno grupo de jornalistas estrangeiros em fórum de investimentos em São Paulo, Temer disse ainda que a redução do preço do óleo diesel anunciada pelo governo como parte das medidas para tentar acabar com a greve não irá reverter as reformas realizadas pela Petrobras para garantir a independência da estatal.

Temer também afirmou que o governo poderá ingressar com ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja declarada ilegal a greve convocada por petroleiros para quarta-feira.

Reportagem de Simon Webb

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247