Temer edita MP para tentar acelerar reforma agrária

O governo de Michel Temer editou uma medida provisória para tentar agilizar a concessão de títulos de domínio para assentados e acelerar a venda de terras da União para beneficiários do Programa Nacional da Reforma Agrária; meta é entregar 280 mil documentos até o fim de seu mandato, em 2018; serão priorizados os assentamentos já existentes – são 9.332 mil em todo o País, onde vive 1 milhão de famílias

LERROVILLE, PR, 25.03.2011: MST/PR - O governo Federal em parceria com o governo Estadual do Paraná, assenta 600 famílias do Movimento dos Sem Terra (MST), na fazenda Guairaca, com 7.280 equitares, no distrito de Lerroville, próximo a Londrina. (Foto: Jon
LERROVILLE, PR, 25.03.2011: MST/PR - O governo Federal em parceria com o governo Estadual do Paraná, assenta 600 famílias do Movimento dos Sem Terra (MST), na fazenda Guairaca, com 7.280 equitares, no distrito de Lerroville, próximo a Londrina. (Foto: Jon (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O governo de Michel Temer editou uma medida provisória para tentar agilizar a concessão de títulos de domínio para assentados e acelerar a venda de terras da União para beneficiários do Programa Nacional da Reforma Agrária. A meta é entregar 280 mil documentos até o fim de seu mandato, em 2018. Serão priorizados os assentamentos já existentes – são 9.332 mil em todo o País, onde vive 1 milhão de famílias.

As informações são do Estado de S.Paulo. 

"A MP 759/2016, em vigor desde sexta-feira, 23, altera a política de reforma agrária implementada pelas gestões Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. De acordo com informações do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), entre 2000 e 2002, a gestão tucana emitiu 62.196 títulos e, de 2003 a 2015, os governos petistas reduziram as emissões para 22.729. Se cumprir a meta proposta, Temer expedirá, em dois anos, 12 vezes mais titulações do que as gestões do PT.

A proposta que ainda será analisada pelo Congresso Nacional prevê que o assentado pague pelo lote para receber o título de domínio. Os ocupantes que ainda não têm a titulação e não pagaram pelo lote terão de regularizar o pagamento para ter a posse definitiva. Os pagamentos serão parcelados em até dez anos, mas também podem ser quitados à vista. A base de cálculo será a Planilha de Preços Referenciais (PPRs) do Incra, com desconto variável entre 20% para os lotes maiores e 60% para as áreas menores. Após dez anos da concessão, o assentado poderá negociar a terra.

A MP permite que o beneficiário ocupe cargo, emprego ou função pública, desde que após sua seleção e homologação. A medida mantém a proibição para ingresso na reforma agrária de agentes públicos, mas apenas até a aquisição do lote. A medida libera o já assentado para, por exemplo, prestar concurso público ou concorrer a cargos eletivos."

Confira abaixo a entrevista exclusiva de João Pedro Stédile, líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) à TV 247:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247