Tijolaço aborda Aécio e a “piedade” do jornalismo

"Será que a Folha, o Estadão ou o império Globo não tinham um repórter disponível em Minas para mandar cobrir?", questiona o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, em referência ao encontro de Aécio Neves (PSDB-MG) em uma fazenda em Minas; "Quero crer, porém, que tenha sido um ato de piedade e bom-gosto"

Tijolaço aborda Aécio e a “piedade” do jornalismo
Tijolaço aborda Aécio e a “piedade” do jornalismo

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Esperei até agora para escrever, para ver se algum grande jornal tinha se interessado.

Afinal de contas, era o lançamento da candidatura do homem de 50 milhões de votos, quase anunciado como “presidente moral do Brasil”, numa fazenda de correligionários, entrando 2 km por uma estrada de terra, “em frente ao motel Dallas, na BR-116, depois do Posto Teófilo Otoni”, como informava o convite.

Não achei nada em nenhum grande jornal, apenas uma nota no mineiro O Tempo, onde não é nem mesmo a abertura e nem se dá muita informação, limitando-se a transcrever o que foi distribuído pela campanha do morto-vivo: que ele foi recebido pelo ex-prefeito de Setubinha e dono da fazenda, Téo Barbosa “e ouviu dos prefeitos os problemas hoje enfrentados pelos municípios”.

A foto, também da assessoria, dá ideia da multidão que presenciou a volta triunfal do ex-quase-futuro-presidente do Brasil.

Será que a Folha, o Estadão ou o império Globo não tinham um repórter disponível em Minas para mandar cobrir?

Afinal, nem que seja pelo inusitado, é pauta imperdível.

Imaginem se Dilma começa a sua campanha ao Senado com meia dúzia de gatos pingados?

Quero crer, porém, que tenha sido um ato de piedade e bom-gosto.

No velório, digo, no encontro Aécio disse que a platéia imensa “mostra a força dos vínculos que tenho com esta região e com a sua história.”

Bem menos que com o Leblon.

Afinal, nossa imprensa não gosta de mundo-cão, de retratar cenas de velório e de explorar cadáveres, não é?

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247