Tijolaço: eleição não é aritmética

O editor do Tijolaço,avalia que a disputa pelo espólio eleitoral de Lula faz com que "alguns candidatos, os com menos decoro, como Marina Silva que, em O Globo, sugere ao PT, PSDB, PMDB e ao DEM o que ela própria faz, que decretem "quatro anos sabáticos""; Típico de Marina, sem nenhum outro compromisso que não com a sua própria ambição e que não hesita em fugir da luta política e apostando em uma possível megassena eleitoral, com seus números vencendo porque os outros foram retirados do "sorteio", dispara Brito

marina silva
marina silva (Foto: Paulo Emílio)

Por Fernando Brito, no Tijolaço - Pode ser que, lendo um pouco mais, ache-se algo de análise política nos jornais que vá além do primário exercício aritmético de especulações sobre o destino dos votos de Lula.

Delírios que não são só dos analistas, mas alguns candidatos, os com menos decoro, como Marina Silva que, em O Globo, sugere ao PT, PSDB, PMDB e ao DEM o que ela própria faz, que decretem "quatro anos sabáticos" para reler seus programas e, talvez, fazerem uma "elevação espiritual". Típico de Marina, sem nenhum outro compromisso que não com a sua própria ambição e que não hesita em fugir da luta política e apostando em uma possível megassena eleitoral, com seus números vencendo porque os outros foram retirados do "sorteio".

O Globo estima que 53 milhões de votos só nas cidades do interior o butim que se abre com a exclusão de Lula e os analistas de pesquisa ouvidos pelo jornal deveriam, sobre eles, recordar a frase atribuída a D. Maria Maluf, quando os futuros herdeiros brigavam pelo controle do grupo Eucatex, pertencente à família: "não se depena a galinha ainda viva".

Agora, pior ainda, porque agora se trata, em autodefinição, de uma jararaca e só mesmo os muito tolos descuidam dela mesmo depois de um golpe aparentemente fatal.

Não é visível, neste momento, que alguém, exceto Jair Bolsonaro, tenha saído vitorioso deste episódio. O autoritarismo que representa, ao menos institucionalmente, venceu e, sendo a truculência dos "homens da lei" aceita como ordem adequada à sociedade, por que não elevar um deles ao ex-primeiro-cargo da República (embora isso esteja fora de moda, depois da atribuição de poderes totais a qualquer juiz de 1ª instância?).

Claro que todos terão algum incremento em seus números de pesquisa: afinal, haveria de tudo em quase 40% dos votos que detém o ex-presidente. Marina, porém, deixou sequelas com sua postura desde 2010, agravada em 2014 pelos afagos a Aécio Neves. Já Ciro, com uma correção de rota ao final, tem cicatrizes mais recentes, embora curáveis, com o lulismo. De Alckmin, Meirelles e Maia, nem é preciso falar.

É por isso que a "solução Huck" voltou à liça eleitoral. Contra o "outsider", porém, pesam sua amizade baladeira com o mesmo Aécio, o escancarado oportunismo e a marca da Globo tatuada à testa.

Falta, porém, a estes cálculos, o ronco surdo no sentimento do povão, que é difícil precisar, o artificialismo da situação política a que fomos levados e que, se não normalizado – ainda que não por espírito democrático, por medo de onde pode nos levar – deixa tudo com a solidez de um castelo de cartas e, finalmente, se não voltar a lucidez, o efeito imprevisível do "ele disse".

Lembra a história que, num tempo com muito menos poder de comunicação, um "ele merece os nossos sufrágios" de Getúlio Vargas, a poucos dias da eleição, levou uma reconhecida inaptidão à vitória em 1945.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247