Procuradores da Lava Jato faziam pressão escancarada a ministros do STF. Gilmar, Toffoli e Moraes eram alvos

Em nova leva de conversas enviada ao Supremo, a defesa do ex-presidente Lula destaca conversas em que a força-tarefa de Curitiba articulava pressão sobre ministros da Corte. “Acho que podemos alimentar os movimentos pra direcionarem atenção para o Alexandre de Moraes. Se pegar sem a nossa cara, melhor”, chegou a escrever Deltan Dallagnol

Deltan Dallagnol, e os ministros do STF Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes
Deltan Dallagnol, e os ministros do STF Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes (Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em nova peça apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou que a Operação Lava Jato busca emparedar ministros das cortes superiores para que decidissem a favor da força-tarefa.

As novas conversas revelam 'ataques', conforme apontam os advogados de Lula, contra os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli, "forçando delações que estavam sendo planejadas em Curitiba". "Também foram planejados ataques ao ministro Alexandre de Moraes por meio de terceiros, para que as ações da 'Lava Jato' para essa finalidade ficassem 'anonimizadas'", afirmou a defesa. "Conforme mensagem do procurador da República Deltan Dallagnol, havia a intenção de 'colocar o STF contra a parede'", apontam os advogados. 

Segundo a ação, “os procuradores planejaram focar em algumas delações premiadas com o objetivo de atingir indevidamente ministros desse Supremo Tribunal Federal”. Um exemplo foi o diálogo de julho de 2016 entre Dallagnol e Julio Noronha. “Toffoli e Gilmar todo mundo quer pegar. Mas é difícil fazer algo com base nisso só. Até porque pode ser parente”, escreve Dallagnol.

O procurador acrescenta: “A responsa tá conosco Julio, temos que focar neles. Precisamos trazer construção para a colaboração”.

Em outra conversa, Deltan Dallagnol diz: "Acho que podemos alimentar os movimentos pra direcionarem atenção para o Alexandre de Moraes. Se pegar sem a nossa cara, melhor, porque fico penando [sic] em possível efeito contrário em que nós queremos colocar [sic] o STF contra a parede".

Em entrevista à TV 247 nesta terça-feira (16), o hacker Walter Delgatti, responsável por interceptar o conteúdo dos procuradores da Lava Jato, revelou que o ministro Luís Roberto Barroso, que faz parte da Primeira Turma e portanto não julgava a Lava Jato, atuava como uma espécie de “conselheiro” de Dallagnol, orientando sobre como convencer outros juízes de outras instâncias, como do TRF-4, do STJ e do próprio STF.

A nova peça traz também conteúdo sobre o STJ. Além de levantar o patrimônio de magistrados da Corte junto à Receita Federal, procuradores vazavam à imprensa trechos de delações premiadas para pressionar magistrados em suas decisões, como ocorreu com o ministro Ribeiro Dantas, que conseguiram tirar da relatoria da Lava Jato.

Leia a íntegra da petição: 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email