Um dia após live de Bolsonaro, Lira recua e diz que projeto do voto impresso não tem força

O presidente da Câmara declarou confiar no sistema de urnas eletrônicas, mas tentou se manter alinhado a Bolsonaro dizendo ser necessário dar mais transparência ao processo eleitoral: "onde não há problema, a gente precisa deixar ainda mais claro"

Arthur Lira
Arthur Lira (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Em debate nesta sexta-feira (30) transmitido pela TV Conjur, um dia após a live de Jair Bolsonaro na qual seriam apresentadas provas de fraudes em eleições anteriores no Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), admitiu que a proposta de implementação do voto impresso tem pouca força na Casa. Lira tem se mostrado um dos maiores aliados do chefe do governo, blindando-o dos pedidos de impeachment apresentados contra ele.

"A questão do voto impresso está tramitando na comissão especial, o resultado da comissão impactará se esse assunto vem ao plenário ou não. Na minha visão, tudo indica que não", declarou Lira.

Para manter seu discurso minimamente alinhado com o de Bolsonaro, Lira disse que vê como positiva a iniciativa de supostamente dar mais transparência ao processo eleitoral, mas afirmou confiar nas urnas eletrônicas. “Onde não há problema, a gente precisa deixar ainda mais claro”.

PUBLICIDADE

Decano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Gilmar Mendes também participou da conversa e disparou: "vamos parar de conversa fiada".

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email