Usuário de fake news, Bolsonaro compara notícias falsas a cocaína

Um dos principais beneficiados pela divulgação de fake news, Jair Bolsonaro criticou a derrubada do veto presidencial sobre o assunto e comparou o caso ao consumo de cocaína. “E qual é a pena? Dois a oito anos? Um clique vai ser mais grave do que um teco. Se você matar alguém, pode ser condenado a uma pena menor do que por dar um clique, às vezes de madrugada, retransmitindo uma matéria”, disse

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Revista Fórum - Em mais uma declaração polêmica, o presidente Jair Bolsonaro criticou neste sábado (31) a derrubada do veto presidencial sobre a lei das fake news e comparou a pena prevista na nova legislação para quem compartilhar notícias falsas com o consumo de cocaína. Ele disse ainda que não tem como definir o que é falso ou não e que “todo mundo” vai ser processado.

“E qual é a pena? Dois a oito anos? Um clique vai ser mais grave do que um teco. Se você matar alguém, pode ser condenado a uma pena menor do que por dar um clique, às vezes de madrugada, retransmitindo uma matéria”, avaliou o presidente em conversa com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro, que é apontado como principal beneficiário da proliferação de notícias falsas durante as eleições de 2018, disse que vetou por medo de brechas para processo. “Esse veto [derrubado], pelo amor de Deus, abriu brecha para todo mundo ser processado. Eu vetei, eu que sou a maior vítima de fake news, por que qual é o limite? Como vai saber que é fake news? É para apavorar o povo, igual país comunista? Agradeça ao Kim Kataguiri, que trabalhou para derrubar esse veto”, disse ainda.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247