Usuário de fake news, Bolsonaro compara notícias falsas a cocaína

Um dos principais beneficiados pela divulgação de fake news, Jair Bolsonaro criticou a derrubada do veto presidencial sobre o assunto e comparou o caso ao consumo de cocaína. “E qual é a pena? Dois a oito anos? Um clique vai ser mais grave do que um teco. Se você matar alguém, pode ser condenado a uma pena menor do que por dar um clique, às vezes de madrugada, retransmitindo uma matéria”, disse

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Revista Fórum - Em mais uma declaração polêmica, o presidente Jair Bolsonaro criticou neste sábado (31) a derrubada do veto presidencial sobre a lei das fake news e comparou a pena prevista na nova legislação para quem compartilhar notícias falsas com o consumo de cocaína. Ele disse ainda que não tem como definir o que é falso ou não e que “todo mundo” vai ser processado.

“E qual é a pena? Dois a oito anos? Um clique vai ser mais grave do que um teco. Se você matar alguém, pode ser condenado a uma pena menor do que por dar um clique, às vezes de madrugada, retransmitindo uma matéria”, avaliou o presidente em conversa com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro, que é apontado como principal beneficiário da proliferação de notícias falsas durante as eleições de 2018, disse que vetou por medo de brechas para processo. “Esse veto [derrubado], pelo amor de Deus, abriu brecha para todo mundo ser processado. Eu vetei, eu que sou a maior vítima de fake news, por que qual é o limite? Como vai saber que é fake news? É para apavorar o povo, igual país comunista? Agradeça ao Kim Kataguiri, que trabalhou para derrubar esse veto”, disse ainda.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email