Vale não pode ser condenada por Brumadinho, diz presidente da companhia

O diretor-presidente da Vale, Fábio Schvartsman, declarou que a empresa "não pode ser condenada" pela tragédia de Brumadinho (MG), que resultou na morte de pelo menos 166 pessoas; "A Vale é joia brasileira que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu numa de suas barragens por maior que tenha sido a sua tragédia", declarou Schvartsman durante sessão da comissão externa da Câmara que apura a situação de barragens no Brasil; ele foi o único que não se levantou durante o minuto de silêncio em memória das vítimas

Vale não pode ser condenada por Brumadinho, diz presidente da companhia
Vale não pode ser condenada por Brumadinho, diz presidente da companhia
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O diretor-presidente da Vale, Fábio Schvartsman, declarou nesta quinta-feira (14) que a empresa "não pode ser condenada" pela tragédia de Brumadinho (MG). O rompimento da barragem da companhia causou a morte de pelo menos 166 pessoas.

Em comissão externa da Câmara dos Deputados que apura a situação de barragens no Brasil, o CEO da Vale afirmou que a empresa é uma "joia brasileira".

"A Vale é joia brasileira que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu numa de suas barragens por maior que tenha sido a sua tragédia", declarou Fábio Schvartsman.

"A Vale reconhece, humildemente, que seja lá o que vinha fazendo, não funcionou, já que uma barragem caiu", acrescentou o executivo.
Ainda de acordo Schvartsman, a mineradora ainda não sabe o que causou o rompimento da barragem.

"Passadas essas semanas desde o acidente, nós continuamos sem saber os motivos que causaram o acidente. Todas as informações que nós possuíamos, que nos eram enviadas pelos técnicos da Vale, demostravam que não havia qualquer perigo iminente sobre aquela barragem, consequentemente, não havia nenhuma razão de alarme ou de preocupação maior da gestão da companhia. Se nós tivéssemos tido qualquer sinal relevante nessa direção, teríamos agido em conformidade", afirmou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247