Venezuela oferece ajuda para levar oxigênio a Manaus, mas Brasil recorre aos EUA, que podem demorar a atender

O governo brasileiro pediu ajuda aos Estados Unidos para tentar socorrer a rede de saúde do Amazonas após o estoque de oxigênio acabar em vários hospitais da capital, Manaus. A Venezuela prometeu socorrer de imediato a população da capital, amazonense, já os EUA dizem que estão conversando com as autoridades brasileiras

Falta de oxigênio em Manaus
Falta de oxigênio em Manaus (Foto: Reprodução/Junio Matos)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil pede que um avião da Força Aérea americana auxilie no transporte de cilindros de oxigênio para Manaus. “Tem lugar que tem oxigênio, mas não tem uma aeronave que transporte oxigênio em cilindro", disse o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), que disse ter conversado com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sobre o pedido de ajuda. 

“Estamos tentando, junto à embaixada dos EUA, a liberação de um avião da Força Aérea norte-americana, um Galaxy, para levar o oxigênio”, afirmou Ramos, em referência ao cargueiro C-5 Galaxy, usado pela Força Aérea dos Estados Unidos. De acordo com o parlamentar, que é aliado do governador amazonense Wilson Lima, o único avião cargueiro de propriedade do Estado está em manutenção, informa O Estado de S.Paulo.

A embaixada dos Estados Unidos em Brasília disse, por meio de sua assessoria, que está ciente da solicitação e que está em contato com as autoridades brasileiras para tratar do assunto. Também questionado, o Itamaraty não se manifestou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email