'Voto do relator não foi jurídico, foi político', diz presidente da UNE

Presidente da UNE, Marianna Dias, criticou a decisão do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do caso, que decidiu pela manutenção da condenação do ex-presidente Lula por corrupção e lavagem de dinheiro e ampliou a pena para 12,1 anos de prisão; "A gente viu um voto de um relator que fala sobre o processo da Lava Jato e deixa explícito que não precisa apresentar provas para condená-lo", afirmou; "[O voto de Gebran] deixa um caráter muito forte de um julgamento político, de uma Justiça que resolveu tomar lado na briga", completou

Presidente da UNE, Marianna Dias, criticou a decisão do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do caso, que decidiu pela manutenção da condenação do ex-presidente Lula por corrupção e lavagem de dinheiro e ampliou a pena para 12,1 anos de prisão; "A gente viu um voto de um relator que fala sobre o processo da Lava Jato e deixa explícito que não precisa apresentar provas para condená-lo", afirmou; "[O voto de Gebran] deixa um caráter muito forte de um julgamento político, de uma Justiça que resolveu tomar lado na briga", completou
Presidente da UNE, Marianna Dias, criticou a decisão do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do caso, que decidiu pela manutenção da condenação do ex-presidente Lula por corrupção e lavagem de dinheiro e ampliou a pena para 12,1 anos de prisão; "A gente viu um voto de um relator que fala sobre o processo da Lava Jato e deixa explícito que não precisa apresentar provas para condená-lo", afirmou; "[O voto de Gebran] deixa um caráter muito forte de um julgamento político, de uma Justiça que resolveu tomar lado na briga", completou (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) Marianna Dias criticou a decisão do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do caso, que decidiu pela manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção e lavagem de dinheiro e o condenou a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado.

"A gente esperava um pouco que a reação da Justiça decidisse pela condenação e que pudesse se basear em elementos políticos e não em provas. A gente viu um voto de um relator que fala sobre o processo da Lava Jato e deixa explícito que não precisa apresentar provas para condená-lo", afirmou.

Marianna Dias alegou que a Justiça está do lado oposto ao do ex-presidente.

"[O voto de Gebran] deixa um caráter muito forte de um julgamento político, de uma Justiça que resolveu tomar lado na briga. O lado contrário ao do ex-presidente Lula e condena-lo acima da lei, da Constituição", completou.

A presidente da UNE defendeu que as frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e outros movimentos sociais marchem na tarde desta quarta-feira, pela avenida Paulista, apesar de do veto da Secretaria de Segurança de São Paulo.

"Nós tomamos a decisão de iniciar o nosso ato na Praça da República, mas seguir em marcha até a Avenida Paulista porque a Justiça não tem o direito de determinar onde as pessoas podem se manifestar".

A concentração para a manifestação em defesa do ex-presidente Lula está marcada para começar às 17 horas, na Praça da República, no centro de São Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247