Weintraub corta 30% das verbas de UnB, UFBA e UFF e inicia processo de asfixia das universidades públicas

Abrindo espaço para a privatização de instituições de ensino superior, o ministro da Educação, Abraham Weintrab, determinou o corte de pelo menos 30% dos recursos da Universidade de Brasília (UnB), da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA) por terem permitido que ocorressem supostos atos políticos, classificados por ele como “balbúrdia”; “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse Weintrab

Weintraub corta 30% das verbas de UnB, UFBA e UFF e inicia processo de asfixia das universidades públicas
Weintraub corta 30% das verbas de UnB, UFBA e UFF e inicia processo de asfixia das universidades públicas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Educação, Abraham Weintrab, determinou o corte de pelo menos 30% dos recursos da Universidade de Brasília (UnB), da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA) por terem permitido que ocorressem supostos atos políticos, classificados por ele como “balbúrdia”.

“Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse Weintrab em reportagem de Renata Agostini, publicada nesta terça-feira (30) pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Os cortes atingem as despesas discricionárias, para custear gastos como água, luz, limpeza, bolsas de auxílio a estudantes, entre outros.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247