Youssef: Lava Jato não vai mudar o Brasil

Em sua primeira entrevista após deixar a cadeia, o doleiro Alberto Yousseff, um dos mais importantes delatores da Lava Jato, diz que a operação não mudará o País; “Não vejo interesse em mudar os costumes políticos. Essa fase da Lava Jato vai passar, e vai continuar tudo como está. O sistema vai continuar O Brasil não vai mudar"; Yousseff disse ainda que só duas pessoas presas na operação nunca roubaram:"Eu digo sempre que tem dois caras que não roubaram ali. Um sou eu. O outro é o Vaccari [ex-tesoureiro do PT]"

Em sua primeira entrevista após deixar a cadeia, o doleiro Alberto Yousseff, um dos mais importantes delatores da Lava Jato, diz que a operação não mudará o País; “Não vejo interesse em mudar os costumes políticos. Essa fase da Lava Jato vai passar, e vai continuar tudo como está. O sistema vai continuar O Brasil não vai mudar"; Yousseff disse ainda que só duas pessoas presas na operação nunca roubaram:"Eu digo sempre que tem dois caras que não roubaram ali. Um sou eu. O outro é o Vaccari [ex-tesoureiro do PT]"
Em sua primeira entrevista após deixar a cadeia, o doleiro Alberto Yousseff, um dos mais importantes delatores da Lava Jato, diz que a operação não mudará o País; “Não vejo interesse em mudar os costumes políticos. Essa fase da Lava Jato vai passar, e vai continuar tudo como está. O sistema vai continuar O Brasil não vai mudar"; Yousseff disse ainda que só duas pessoas presas na operação nunca roubaram:"Eu digo sempre que tem dois caras que não roubaram ali. Um sou eu. O outro é o Vaccari [ex-tesoureiro do PT]" (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O doleiro Alberto Youssef concedeu uma longa entrevista publicada neste sábado. A primeira após deixar a cadeia, onde passou três anos. 

Em seus depoimentos, o doleiro contou que as empreiteiras como a Odebrecht e a OAS eram suas únicas clientes, contou que distribuiu milhões em propina a políticos e contou que participou de reuniões secretas em gabinetes de autoridades .

No escritório de Youssef em São Paulo, a Polícia Federal apreendeu uma infinidade de documentos. Mensagens de celular mostravam o doleiro como interlocutor frequente de políticos importantes. Planilhas e contratos listavam personagens de alto quilate do empresariado nacional.

Questionado se a Lava Jato mudará o país, Youssef foi categórico: “Não vejo interesse em mudar os costumes políticos. Essa fase da Lava Jato vai passar, e vai continuar tudo como está. O sistema vai continuar O Brasil não vai mudar.”

Youssef disse ainda que não gosta de ser chamado de delator e que saiu da cadeia "de cabeça erguida" por ter colaborado com a Justiça. 

"O Vaccari [João Vaccari Neto] é um cara que não tem um centavo para puxar para ele. Um cara correto. Eu digo sempre que tem dois caras que não roubaram ali. Um sou eu. O outro é o Vaccari. No esquema da Petrobras, eu, como operador, tirei a minha comissão e mandei o dinheiro roubado para quem devia. O Vaccari fez a mesma coisa", afirma.

As informações são de reportagem de Robson Bonin na Veja. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247