Zanin: Dallagnol não quis ouvir nenhuma das 73 testemunhas

Das 24 audiências realizadas na 13ª Vara de Curitiba, onde fica o juiz Sergio Moro e prestaram depoimentos 73 testemunhas no caso do triplex do Guarujá e do acervo presidencial do ex-presidente, nenhuma contou com a presença do procurador da República Deltan Dallagnol, que expôs a tese da "propinocracia" em um power-point em setembro do ano passado e chamou Lula de "grande general" do esquema criminoso; "A prova colhida mostrou ser fantasioso tanto o cenário de macrocorrupção quanto os fatos específicos indicados na denúncia", afirma em vídeo o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula; "Ele demonstrou não estar interessado em provas, mas apenas nas suas convicções", diz; assista

Das 24 audiências realizadas na 13ª Vara de Curitiba, onde fica o juiz Sergio Moro e prestaram depoimentos 73 testemunhas no caso do triplex do Guarujá e do acervo presidencial do ex-presidente, nenhuma contou com a presença do procurador da República Deltan Dallagnol, que expôs a tese da "propinocracia" em um power-point em setembro do ano passado e chamou Lula de "grande general" do esquema criminoso; "A prova colhida mostrou ser fantasioso tanto o cenário de macrocorrupção quanto os fatos específicos indicados na denúncia", afirma em vídeo o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula; "Ele demonstrou não estar interessado em provas, mas apenas nas suas convicções", diz; assista
Das 24 audiências realizadas na 13ª Vara de Curitiba, onde fica o juiz Sergio Moro e prestaram depoimentos 73 testemunhas no caso do triplex do Guarujá e do acervo presidencial do ex-presidente, nenhuma contou com a presença do procurador da República Deltan Dallagnol, que expôs a tese da "propinocracia" em um power-point em setembro do ano passado e chamou Lula de "grande general" do esquema criminoso; "A prova colhida mostrou ser fantasioso tanto o cenário de macrocorrupção quanto os fatos específicos indicados na denúncia", afirma em vídeo o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula; "Ele demonstrou não estar interessado em provas, mas apenas nas suas convicções", diz; assista (Foto: Gisele Federicce)

247 - Todas as 73 testemunhas ouvidas nas 24 audiências realizadas na 13ª Vara de Curitiba, do juiz Sergio Moro, no caso do triplex do Guarujá e do acervo presidencial que acusa o ex-presidente Lula de ter recebido vantagens indevidas "negaram ter conhecimento de qualquer solicitação ou obtenção de vantagens indevidas pelo ex-presidente", afirma em vídeo o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula. 

Zanin faz ainda o registro de que o procurador da República Deltan Dallagnol, que expôs a tese da "propinocracia" em um power-point em setembro do ano passado e chamou Lula de "grande general" do esquema criminoso, não esteve em nenhuma das audiências. "Ele demonstrou não estar interessado em provas, mas apenas nas suas convicções", diz o advogado.

"A prova colhida mostrou ser fantasioso tanto o cenário de macrocorrupção quanto os fatos específicos indicados na denúncia", afirma ainda. Leia aqui a nota divulgada pela defesa e assista ao vídeo acima.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247