Barroso rejeita ação de familiares de vítimas da Covid contra Bolsonaro

A Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19 (Avico) alegou "inércia" da PGR na investigação sobre a conduta de Bolsonaro na pandemia

www.brasil247.com - Ministro do TSE LuÍs Roberto Barroso em Brasília 04/09/2022
Ministro do TSE LuÍs Roberto Barroso em Brasília 04/09/2022 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso rejeitou nesta terça-feira (29) uma ação movida pela Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19 (Avico) contra Jair Bolsonaro (PL) pela gestão da pandemia, informa o Estado de S. Paulo.

"Independentemente do resultado das apurações que estão em curso e do próprio mérito das declarações em apreço, não se comprovou a inércia do titular da ação penal nestes autos, motivo pelo qual não se mostra cabível o ajuizamento da presente demanda", diz a decisão de Barroso, salientando que a conduta de Bolsonaro durante a pandemia já é investigada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

A Avico deu entrada no processo alegando “inércia” da PGR no caso.

Para a associação, Bolsonaro cometeu nove crimes durante a crise da Covid-19: prevaricação, infração de medida sanitária preventiva, incitação ao crime, emprego irregular de verbas públicas, perigo para a vida ou saúde, epidemia com resultado de morte, charlatanismo, inutilização de material de salvamento e falsificação de documento particular.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247