Brasil mantém média acima de mil mortes diárias há 17 dias

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é um dos países mais impactados pela pandemia da COVID-19, em números absolutos. O país fica atrás apenas dos Estados Unidos no total de mortes

(Foto: Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – Neste sábado (6), o Brasil registrou 942 mortes por COVID-19, chegando a um total de 231.069 óbitos causados pela doença.

Conforme os dados do consórcio dos veículos de imprensa, que compila informações das secretarias estaduais de Saúde, o Brasil chegou a uma média móvel diária de 1.014 óbitos.

Com o resultado, a média caiu 2% em relação a 14 dias atrás, mostrando tendência de estabilidade. A média de mortes por COVID-19 no Brasil está acima de 1.000 óbitos há 17 dias seguidos.

Já os casos confirmados neste sábado (6) foram 43.637, chegando a 9.492.725 diagnósticos de COVID-19 no Brasil, desde a chegada da pandemia ao país. Isso representa uma queda de 12% em relação às duas últimas semanas, apontando tendência de estabilidade.

A vacinação contra a doença no Brasil, iniciada em janeiro, segue acontecendo em todo o país. O consórcio de veículos de imprensa também aponta que a primeira dose da vacina contra a COVID-19 já foi aplicada em 3.551.611 pessoas, sendo que a segunda dose já foi aplicada em 20.277 brasileiros.

Já as unidades federativas que registram tendência de estabilidade são: Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Amazonas, Roraima, Tocantins, Alagoas, Paraíba, Pernambuco.

Os sete estados que mostram tendência de queda são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Amapá, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é um dos países mais impactados pela pandemia da COVID-19, em números absolutos. O país fica atrás apenas dos Estados Unidos no total de mortes. Os EUA registram até agora quase 462 mil mortes causadas pela doença.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email