Estados criticam recuo da Anvisa e dizem que agência atrasará vacina russa

A Anvisa exigiu o início de estudo clínico feito no Brasil para analisar o pedido de uso emergencial da vacina russa Sputnik V. "Uma vez que a Sputnik tem estudos com 44 mil pessoas, o que vai agregar um estudo feito no Brasil com 5.000?", questionou Fabio Vilas-Boas, secretário de Saúde da Bahia

Ampolas da potencial vacina russa contra Covid-19 "Sputnik-V"
Ampolas da potencial vacina russa contra Covid-19 "Sputnik-V" (Foto: REUTERS/Tatyana Makeyeva)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Secretários de Saúde ficaram revoltados com ato da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que, segundo os dirigentes, deve causar mais demora para a liberação da vacina russa Sputnik V. Em medida provisória este ano, o órgão exigiu o início de estudo clínico feito no Brasil para analisar o pedido de uso emergencial.

Gestores da saúde afirmaram que, em dezembro, Meiruze Freitas, diretora da agência, comprometeu-se a não impor esse obstáculo. "Considero um absurdo sem precedente", disse Fabio Vilas-Boas, secretário da Bahia. O relato foi publicado pela coluna Painel

"Uma vez que a Sputnik tem estudos com 44 mil pessoas, o que vai agregar um estudo feito no Brasil com 5.000? Não somos jacarés e eles seres humanos", acrescentou. 

Autoridades russas disseram nesta quarta-feira (13) que pretendem fazer o pedido de registro emergencial ainda nesta semana. 

O laboratório russo Gamaleya anunciou no mês passado que a vacina tem eficácia de 91,4% contra o coronavírus, e desde dezembro tem sido utilizada na Argentina.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247