'Não é hora de afrouxar', diz epidemiologista, que critica reaberturas no Rio e São Paulo na semana de recordes do coronavírus

Epidemiologista Alexandre Kalache, do Centro Internacional da Longevidade, critica o anúncio de reabertura de algumas atividades em São Paulo e no Rio de Janeiro na pandemia da Covid-19. "Essa pandemia, que poderia estar muito mais sob controle a esta altura, vai ficar se estendendo", diz

(Foto: Reprodução (Youtube))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Quem tem pressa come cru. Ainda não está na hora de afrouxar", afirma o epidemiologista Alexandre Kalache, do Centro Internacional da Longevidade, ao comentar o cenário de reabertura de alguns setores econômicos em São Paulo e no Rio de Janeiro. Atualmente, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de confirmações (558,2 mil) e o sexto na quantidade de mortes (31,3 mil) provocadas pelo coronavírus, de acordo com a plataforma Worldometers, que disponibiliza os dados de cada país. 

Com o recorde de 1.262 mortes em um único dia, o Ministério da Saúde informou que a Covid-19 matou até agora 31.199 pessoas - a estatística da pasta difere um pouco da apresentada em nível global. 

O fato é que os dados põem em dúvida as alegações de que já é possível discutir medidas de relaxamento no Brasil. 

"Isso vai prolongar a agonia. Essa pandemia, que poderia estar muito mais sob controle a esta altura, vai ficar se estendendo, o que terá um preço econômico muito alto na frente", diz o médico Alexandre Kalache. Seus relatos foram publicados no jornal O Globo.

De acordo com o site disponibilizado pelo governo federal para atualizações da Covid-19, o estado de São Paulo tem 118.295 confirmações e 7.994 mortes provocadas pelo coronavírus, sendo o primeiro no ranking nacional nos dois quesitos (casos e óbitos). Depois vem o estado do Rio de Janeiro, com 56.732 pessoas diagnosticadas com a doença e 5.686 falecimentos. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email