Pesquisadores testam versões inaladas de possíveis vacinas contra Covid-19 de Oxford e Imperial College

As vacinas da Oxford e do Imperial College estão sendo usadas em testes com injeção intramuscular, mas cientistas acreditam que existe a possibilidade de as vacinas via inalação produzirem uma reação mais especializada

(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli/24/06/2020)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

LONDRES (Reuters) - Versões inaladas de candidatas a vacinas contra Covid-19 da Universidade de Oxford e do Imperial College serão testadas para se determinar se induzem uma reação imunológica localizada no trato respiratório, disseram pesquisadores britânicos nesta segunda-feira.

As vacinas da Oxford e do Imperial College estão sendo usadas em testes com injeção intramuscular, mas cientistas do Imperial disseram que existe a possibilidade de as vacinas via inalação produzirem uma reação mais especializada.

Chris Chiu, do Departamento de Doenças Infecciosas do Imperial, disse haver indícios de que vacinas contra gripe administradas via spray nasal podem proteger da doença e reduzir sua transmissão.

“Estamos determinados a explorar se este também pode ser o caso do SARS-CoV-2 e se administrar vacinas contra Covid-19 pelo trato respiratório é seguro e produz uma reação imunológica eficiente”, disse ele em um comunicado.

Os testes da vacina da Oxford, que foi licenciada para a AstraZeneca, foram retomados no final de semana depois que agências reguladoras de segurança lhes deram sinal verde --testes de estágio avançado haviam sido interrompidos por causa do adoecimento de um participante no Reino Unido.

“Já mostramos que a (vacina da Oxford) ChAdOx1 nCoV-19 (AZD1222) é segura e induz reações imunológicas fortes após uma injeção intramuscular”, disse Sarah Gilbert, da Universidade de Oxford.

“Administrar a vacina pelo trato respiratório ao invés disso pode ser uma boa abordagem para induzir reações imunológicas no melhor lugar para possibilitar uma reação rápida após uma exposição ao vírus pelo ar”.

A vacina do Imperial também está em testes clínicos, mas em um estágio anterior.

Nos novos testes, voluntários receberão vacinas em aerossol por meio de um nebulizador que as administrará em gotículas através de um bocal. No total, trinta pessoas serão recrutadas para os testes.

Estudos anteriores levam a crer que pode ser necessário usar doses mais baixas do que as de injeções intramusculares para se obter uma proteção, disseram os pesquisadores do Imperial.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247