Precisa fraudou documentos enviados à Saúde, diz fabricante da Covaxin

Laboratório indiano Bharat Biotech afirma que dois documentos enviados pela Precisa Medicamentos para o Ministério da Saúde foram fraudados

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A Bharat Biotech, laboratório indiano que produz a vacina Covaxin, afirma que dois documentos enviados pela Precisa Medicamentos para o Ministério da Saúde, com o carimbo da empresa papel timbrado e assinatura do diretor-executivo, são fraudados. A farmacêutica anunciou nesta sexta-feira (23) o fim do memorando de entendimentos assinado com a Precisa para a comercialização do imunizante no Brasil.

"Recentemente, fomos informados de que certas cartas (conforme anexo), supostamente assinadas por executivos da empresa, estão sendo distribuídas online. Gostaríamos de ressaltar, enfaticamente, que esses documentos não foram emitidos pela empresa ou por seus executivos e, portanto, negamos veementemente os mesmos", disse a Bharat Biotech por meio de nota. 

De acordo com reportagem do UOL, as duas cartas, supostamente assinadas pelo diretor-executivo Krishna Mohan Vadrevu, estão incluídas nas 1.008 páginas do processo de compra da Covaxin, enviadas pelo Ministério da Saúde para a CPI da Covid. O colegiado investiga uma série de irregularidades no contrato celebrado pela pasta com a Precisa, que atuaria como intermediária da negociação. 

PUBLICIDADE

Os documentos são datados do dia 19 de fevereiro deste ano, seis dias antes da assinatura do contrato para o fornecimento de 20 milhões de doses, totalizando R$ 1,6 bilhão. O valor por dose única, de US$ 15, foi o mais alto dentre todas as vacinas adquiridas pelo Brasil. 

Saiba mais sobre o assunto na reportagem abaixo. 

Reuters e 247 -  O laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina contra Covid-19 Covaxin, anunciou nesta sexta-feira a extinção imediata do memorando de entendimentos que havia assinado com a farmacêutica brasileira Precisa Medicamentos para comercialização no Brasil do imunizante.

PUBLICIDADE

Em comunicado, a companhia indiana afirmou que, apesar do fim do acordo, continuará a trabalhar com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para completar o processo de obtenção de aprovação regulatória da vacina no Brasil.

As negociações para compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde tornaram-se alvo da CPI da Covid no Senado, por suspeitas de irregularidades, o que levou a pasta a suspender o contrato para compra do imunizante, após o empenho orçamentário de 1,6 bilhão de reais para pagar pelo fornecimento das doses da vacina.

Prevaricação

PUBLICIDADE

No fim de junho, os senadores do chamado G7 da CPI da Covid concluíram que o governo Bolsonaro prevaricou e pode ter cometido crime de uso da máquina pública em favor de entidades privadas por causa do escândalo Covaxin-Precisa. Para a cúpula da CPI da Covid as denúncias contra o governo envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin abriram um caminho sem volta na investigação, que pode levar à responsabilização de Jair Bolsonaro.

Os senadores que constituem a maioria da CPI da Covid consideram que se forem comprovados os atos de corrupção na negociação de compra da vacina Covaxin, Bolsonaro pode responder por prevaricação e pelo crime de advocacia administrativa, que é o uso da máquina pública em favor de entidades privadas.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email