“Eles poderiam estar vivos”: documentário expõe todas as atrocidades do governo Bolsonaro na pandemia

“Desde o começo o governo não somente atuou em prol da disseminação da covid-19, como fez de tudo para atrapalhar”, afirma um dos realizadores do documentário

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


RBA - Estreiou nesta quinta-feira (22), às 20h30, no YouTube, o documentário Eles poderiam estar vivos, de Lucas e Gabriel Mesquita, obra que retrata com detalhes como a condução da pandemia pelo presidente Jair Bolsonaro foram tragicamente responsáveis pelo número de mortos pela covid-19 no Brasil.

 O lançamento do documentário teve também pré-estreias presenciais em três cidades: São Paulo (na PUC); Brasília (na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília) e em Vancouver (Canadá), na University of British Columbia.A produção é parceria do Grupo Prerrogativas e da produtora Mangueio Filmes. Ao longo de 105 minutos, o descaso de Bolsonaro com a covid-19 é evidenciado. Alternando imagens in loco e entrevistas o filme esclarece didaticamente como o presidente agiu para que o país registrasse, apenas em números oficiais, cerca de 685 mil mortos pelo coronavírus, em menos de três anos.

Além de mostrar como Bolsonaro se colocou contra o distanciamento social e disseminou uma série de mentiras sobre as vacinas e a pandemia, o filme mostra também aborda resultados das investigações da CPI da Covid. Entre eles, a prevaricação e a corrupção na compra de vacinas e a obsessão por promover remédios sem eficácia, como a cloroquina e a ivermectina.


Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email