Em novo ataque à cultura, Bolsonaro veta projeto de incentivo ao cinema nacional

Jair Bolsonaro vetou, na íntegra, um projeto de lei que prorrogava os incentivos fiscais do Regime Especial de Tributação para Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica (Recine) até 2024. Prorrogação havia sido aprovada no começo de dezembro pela Câmara dos Deputados, indo de encontro ao desejo do governo

Bolsonaro já cogitou renúncia, relata Alto Comando do Exército
Bolsonaro já cogitou renúncia, relata Alto Comando do Exército (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil 247 - Em um novo ataque ao setor cultural, Jair Bolsonaro vetou, na íntegra, um projeto de lei que prorrogava os incentivos fiscais do Regime Especial de Tributação para Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica (Recine) até 31 de dezembro de 2024. 

A prorrogação do Recine, que concede benefícios tributários a empresas que operam em aquisições do ou faze uso de importações para modernizar ou interiorizar salas de cinema, além de investirem em em obras nacionais independentes, havia sido aprovada no começo de dezembro pela Câmara dos Deputados, indo de encontro ao desejo do governo Jair Bolsonaro. 

O governo Jair Bolsonaro alegou "razões de inconstitucionalidade" para justificar o veto. Segundo o Planalto, o projeto criaria despesas obrigatórias e violaria a Lei da Responsabilidade Fiscal e a Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019. 

Os vetos ainda serão apreciados pelo Congresso, que pode decidir pela aprovação a prorrogação dos incentivos fiscais. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247