FBI coloca em xeque versão de Alec Baldwin sobre tiro que matou diretora em set

As informações foram divulgadas pela ABC, rede de televisão norte-americana que teve acesso à conclusão da investigação

www.brasil247.com - Ator Alec Baldwin
Ator Alec Baldwin (Foto: Reuters)


247 - As apurações do FBI (Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos) colocaram em xeque a versão de Alec Baldwin sobre o tiro que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins (1979-2021) nos sets de filmagens de Rust em outubro do ano passado. Segundo o órgão, o gatilho da arma foi acionado, ao contrário do que disse o ator. A reportagem é do portal Notícias da TV.

As informações foram divulgadas pela ABC, rede de televisão norte-americana que teve acesso à conclusão da investigação. "A arma não poderia ter disparado sem ter o gatilho puxado enquanto os seus componentes internos estavam intactos e funcionais", disse a polícia, que realizou testes com o mesmo modelo de revólver.

Em dezembro do ano passado, em uma entrevista para a mesma emissora, o astro enfatizou que o disparo aconteceu de forma acidental, sem que o gatilho fosse acionado. "Eu não puxei o gatilho. Nunca apontaria a arma para alguém e puxaria o gatilho. Nunca", declarou ele.

Apesar da contradição entre as versões, o caso segue tratado como acidente, já que não há provas de que uma munição real tenha sido usada de maneira intencional pelo ator.

A tragédia aconteceu durante o ensaio de uma cena do filme Rust envolvendo Alec, Halyna e Joel Souza, diretor do longa. A cineasta morreu na hora, enquanto Souza ficou ferido.

Em fevereiro deste ano, a família da diretora abriu um processo contra Baldwin por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Além do astro, os produtores executivos e membros da equipe do longa foram considerados réus no caso e tiveram seus nomes incluídos na ação.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email