Felipe Neto cobra reação de Maia, Toffoli e Alcolumbre: estão esperando o quê?

"Vão agir agora ou vão esperar 20 anos e falar: nunca imaginamos que ele realmente faria alguma coisa?", questiona o youtuber

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O youtuber Felipe Neto cobra uma reação dos presidentes da Câmara, do Senado e do STF diante de mais uma ameaça golpista feita por Jair Bolsonaro, neste domingo. "Alou @STF_oficial, @davialcolumbre e  @RodrigoMaia, vocês vão esperar o quê? Os militares baterem na porta de vcs na calada da noite? Vão agir agora ou vão esperar 20 anos e falar: 'nunca imaginamos que ele realmente faria alguma coisa'? Bolsonaro é criminoso!", postou ele, em seu twitter. Saiba mais sobre o caso:

BRASÍLIA (Reuters) - Após fazer aparição de quase uma hora na rampa do Palácio do Planalto para centenas de pessoas que se manifestavam a favor do seu governo e contra o STF e o presidente da Câmara neste domingo, o presidente Jair Bolsonaro disse que a Constituição será cumprida no país “a qualquer preço” e que o governo tem o povo e as Forças Armadas ao seu lado.

“Graças a Deus que não temos problemas esta semana porque chegamos no limite, não tem mais conversa”, disse Bolsonaro, ao deixar a rampa, em live transmitida em sua página no Facebook.

“Daqui para frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição, ela será cumprida a qualquer preço. E ela tem dupla mão, não é de uma mão de um lado só não”, afirmou, acrescentando que o governo nomeará novo diretor-geral da Polícia Federal nesta segunda-feira.

Na quarta-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para o cargo, em decisão liminar, citando possível comprometimento do indicado, que tem relação de amizade com a família de Bolsonaro.

O ex-diretor da corporação Maurício Valeixo foi demitido por decisão de Bolsonaro em processo que levou o ex-ministro da Justiça Sergio Moro a deixar o governo acusando o presidente de querer interferir nas investigações da PF.

Neste domingo, na rampa, onde acenou a apoiadores e pegou duas crianças sem máscara de proteção contra o coronavírus no colo, Bolsonaro ressaltou o apoio das Forças Armadas e do povo ao seu governo.

“Tenham certeza de uma coisa, nós temos o povo ao nosso lado, nós temos as Forças Armadas do lado do povo, pela lei, pela ordem, pela democracia e pela liberdade, e o mais importante, temos Deus conosco. O Brasil tem tudo para dar certo, o Brasil vai dar certo”, afirmou.

Bolsonaro estava acompanhado de dois dos seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PLS-SP) e a caçula Laurinha. Nenhum dos três usava máscaras.

A deputada Bia Kicis (PSL-DF), também na rampa, afirmou que a manifestação não defendia o fechamento do Congresso ou do STF.

“Não queremos fechar Congresso, fechar Supremo, mas que nosso presidente possa governar”, afirmou. “O povo não vai deixar ministros, com canetada, impedir nosso presidente de governar.”

Antes de se concentrarem em frente ao Palácio do Planalto, os manifestantes fizeram carreata na Esplanada dos Ministérios. Havia faixas de “Fora Maia”, em referência ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e em favor de Bolsonaro. Uma enorme bandeira do Brasil foi passada por cima da grade ao grupo que acompanhava Bolsonaro, que a carregou sobre os ombros.

AGRESSÃO A JORNALISTAS

Durante a manifestação, jornalistas que estavam cobrindo o evento foram agredidos fisicamente por manifestantes.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), lamentou, no Twitter, a agressão contra jornalistas e trabalhadores da área de saúde.

Na sexta-feira, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro agrediram verbalmente profissionais de saúde que faziam manifestação em defesa do isolamento social na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

“Minha solidariedade aos jornalistas e profissionais de saúde agredidos. Que a Justiça seja célere para punir esses criminosos”, escreveu Maia.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247