Marcia Tiburi e Elika Takimoto movimentam campanha por Bacurau legendado para surdos

A campanha da filósofa Marcia Tiburi e da professora Elika Takimoto lembra que enquanto todos podem ver o filme tranquilamente e comentar sobre ele, as pessoas surdas não conseguem pelo simples fato de não ser acessível. As peças dizem frases como “Você já viu Bacurau? Quem é surdo ainda não!”

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A filósofa e professora Marcia Tiburi lançou, ao lado de Elika Takimoto e das professoras Jurema Santos e Carilissa Dall’Alba, uma campanha pelas redes sociais que pede por sessões de Bacurau no cinema acessíveis para pessoas surdas, com legenda. “Minha filha é surda desde pequena. Faz algumas semanas que ela vem me pedindo pra ver Bacurau, mas ela não escuta cinema, nem teatro, televisão ou palestras. Precisa sempre de legendas”, postou em sua conta no instagram. “Eu prometi para a minha filha que só vou assistir depois que ela puder assistir”.

A campanha lembra que enquanto todos podem ver o filme tranquilamente e comentar sobre ele, as pessoas surdas não conseguem pelo simples fato de não ser acessível. As peças dizem frases como “Você já viu Bacurau? Quem é surdo ainda não!”, “Tem gente querendo ver Bacurau, mas não consegue. Cadê as salas com legenda?” e apelos como “Bacurau já está nos cinemas, mas não para surdos!”. A hashtag da campanha é #CinemaParaSurdos

“Acessibilidade é uma ideia e uma prática que precisam ser respeitadas. Ela melhora a vida das pessoas. É simples e fácil, e todos se sentem melhor em uma sociedade que respeita as necessidades das pessoas”, afirma Tiburi. Elika Takimoto, que tem surdez moderada e usa próteses há cinco anos, lembra-se da dificuldade de obter acessibilidade. “Para o mundo se tornar mais acessível temos que transpor algumas barreiras. Nem toda deficiência está ligada à locomoção”, disse.

Quem está na campanha

Além do contato de Tiburi com a surdez da filha e da experiência da professora e militante Elika Takimoto, as outras integrantes da campanha atuam como profissionais e militantes da causa. Jurema Santos, do Rio de Janeiro, é especializada na área da surdez e mestra em avaliação. Já a gaúcha Carilissa é Professora de Libras, militante e coordenadora da Campanha “Legenda para quem não ouve, mas se emociona”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email