Obama tem interesse em financiar filme sobre captura e morte de Bin Laden

Filme pode ser lançado logo após as eleições presidenciais de 6 de novembro e seria dirigido pela cineasta Kathryn Bigelow

Obama tem interesse em financiar filme sobre captura e morte de Bin Laden
Obama tem interesse em financiar filme sobre captura e morte de Bin Laden (Foto: Reuters_Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Mark Hosenball

WASHINGTON (Reuters) - Documentos divulgados pelo Pentágono e pela CIA lançam luz sobre o interesse de autoridades da Casa Branca em um projeto de filme de Hollywood dramatizando a incursão dos Estados Unidos na qual Osama bin Laden foi morto.

Os documentos divulgados para o Judicial Watch, um grupo conservador, dentro da Lei de Liberdade de Informação e tornado públicos nesta terça-feira incluem e-mails entre altos funcionários do Pentágono e da Casa Branca discutindo esforços para cooperar com a cineasta Kathryn Bigelow e com o roteirista Mark Boal sobre o filme da captura de Bin Laden.

A controvérsia surgiu no ano passado quando a colunista do New York Times Maureen Dowd escreveu que o filme deveria ser lançado semanas antes da eleição presidencial de 6 de novembro. A estreia posteriormente foi adiada para depois da eleição, apesar de trailers do filme terem sido lançados pela Sony Pictures.

Alguns críticos do presidente norte-americano, Barack Obama, incluindo proeminentes membros republicanos do Congresso, têm citado a cooperação do governo com os cineastas como parte de um suposto padrão de vazamentos deliberados de segurança nacional com intuito de melhorar a imagem de Obama conforme a eleição se aproxima. Obama negou veementemente que a Casa Branca vazou informações confidenciais delicadas.

Documentos publicados pelo Judicial Watch em maio indicaram que Bigelow e Boal, que estavam por trás do filme vencedor do Oscar "Guerra ao Terror", haviam se relacionado com a CIA e altos funcionários do Pentágono antes de se envolverem com a Casa Branca.

 

O material recém-lançado parece confirmar isso, mas também indica que funcionários da Casa Branca queriam manter o controle sobre esse e outros projetos importantes na mídia sobre o ataque a Bin Laden.

Em uma mensagem ao vice-conselheiro de Segurança Nacional, Ben Rhodes, e ao vice-secretário de Imprensa da Casa Branca, Jamie Smith, em 15 de junho de 2011 -- seis semanas após a captura de Bin Laden -- o chefe de Relações Públicas do Pentágono, Douglas Wilson, pediu a "orientação" deles sobre até que extensão as autoridades de defesa deveriam cooperar com projetos de mídia sobre a incursão e o filme de Boal e Bigelow em particular.

"O nosso compromisso global com Boal e Bigelow até hoje tem sido muito geral", escreveu Wilson. Mas, conforme o projeto evoluiu, disse ele, Michael Vickers, o civil do Pentágono encarregado das operações especiais, e outros altos funcionários "gostariam de receber orientação sobre os parâmetros".

Wilson afirmou que Boal e Bigelow estavam trabalhando com o Pentágono e a CIA em "briefing de contexto inicial", e que Leon Panetta, então diretor da CIA, tinha dado a sua "plena aprovação/apoio" para tais briefings. Ele também disse que o então secretário de Defesa Robert Gates "compartilhava... admiração por seus esforços de filmes anteriores".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247