"Olavo de Carvalho é o pai da retórica do ódio do bolsonarismo", diz João Cezar de Castro Rocha

Professor explica que ele popularizou todo o sistema de crenças que move a extrema-direita

www.brasil247.com - João Cezar de Castro Rocha e Olavo de Carvalho
João Cezar de Castro Rocha e Olavo de Carvalho (Foto: Reprodução/Youtube)


247 – Um dos maiores estudiosos do Brasil sobre o tema da "guerra cultural", o professor João Cezar de Castro Rocha, da UERJ, declarou, em entrevista ao jornalista Leonardo Attuch, que Jair Bolsonaro não seria presidente sem o trabalho prévio feito por Olavo de Carvalho, morto nesta terça-feira 25. "Olavo de Carvalho é o pai da retórica do ódio do bolsonarismo", diz ele. "Sem Olavo, Bolsonaro não seria presidente".

João Cezar também fala sobre a influência do olavismo na tentativa de destruição de instituições como o Ministério da Educação, a Fundação Palmares, a Secretaria de Cultura e o próprio Itamaraty. "Nunca houve um governo tão competente como o de Bolsonaro na arquitetura da destruição", diz o professor. Ele também afirma que o olavismo sobreviverá sem Olavo e diz que a direita hoje exerce a hegemonia cultural no País.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email