Operação policial tenta localizar músicas inéditas de Renato Russo

A hipótese da Polícia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial é de que o dono de um estúdio onde o cantor costumava ensaiar estaria em posse de gravações inéditas de forma indevida

Renato Russo
Renato Russo (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Nesta segunda-feira (26), a Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial, do Rio de Janeiro, deflagrou a Operação Será, que busca localizar possíveis músicas inéditas do ex-vocalista do Legião Urbana, Renato Russo, falecido em 1996.

Um dos alvos das buscas é um estúdio no Rio de Janeiro que era frequentado por Renato, e cujo dono é suspeito de estar guardando indevidamente as gravações. 

O detentor dos direitos autorais é Giuliani Manfredini, filho de Renato Russo. Foi Giuliani quem denunciou, há cerca de uma ano, que existe a possibilidade de estarem ocultando a obra de seu pai gravada em seus últimos anos de vida.

Após o falecimento do cantor, músicas não lançadas em vida foram aproveitadas para o disco póstumo O Último Solo, de 1997. Em 2000, foi lançada uma coletânea com sua obra solo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247