Parada do Orgulho LGBT homenageia 50 anos de Stonewall

Na véspera, Seminário da Aliança Nacional comemora conquista no STF e aponta os próximos passos na luta pelos direitos da população LGBTI+

Parada LGBT São Paulo
Parada LGBT São Paulo (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil - A 23ª edição da Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) de São Paulo será realizada no próximo domingo (23), com concentração a partir das 10h em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. O início da marcha está marcado para as 12h com a saída do primeiro trio.

Este ano, a parada terá como tema os 50 anos de Stonewall – série de manifestações de membros da comunidade LGBT contra uma invasão da polícia de Nova York ao bar Stonewall Inn. A rebelião ocorreu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho de 1969.

O evento é considerado um marco do movimento de liberação gay. É por causa da revolta de Stonewall que o orgulho LGBT é celebrado em junho.

Para presidenta da Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (APOGLBT SP), Claudia Regina, a revolta histórica de Stonewall é um marco importante na luta dos direitos LGBTs do mundo todo. “Ele nos mostra que, independentemente do governo ou de qualquer ameaça que enfrentamos diariamente na rua, dentro de casa ou em qualquer lugar, precisamos ser fortes, resistir e sermos nós mesmos, vivendo e lutando por nosso amor que não difere em nada do amor de outras pessoas. Lembrar de Stonewall é lembrar de nossas conquistas e do nosso orgulho de ser LGBT”.

A partir das 12h, os trios percorrerão a Avenida Paulista (saindo do Masp) com direção à Rua da Consolação. O último trio deve chegar ao destino final às 18h. A Avenida Paulista ficará bloqueada para carros a partir das 8h e a liberação da via acontecerá após a limpeza no domingo. Já a Rua da Consolação ficará bloqueada para carros das 12h às 19h.

A madrinha desta edição é Fernanda Lima e a apresentadora oficial é a drag queen Tchaka.

De acordo com Heitor Werneck, produtor artístico, a parada deste ano será mais inclusiva, com atrações circenses e novos talentos da cena LGBT, como o cantor Boivi e Luana Hassen. Até o momento, as atrações principais são a cantora internacional Melanie C e o grupo Sink The Pink, além de Gloria Groove, Aretuza Love, Luísa Sonza e MC Pocahontas.

A agenda completa pode ser conferida no site da Parada do Orgulho LGBT.

Véspera: em seminário, movimento LGBTI+ comemora conquista no STF e planeja suas novas estratégias

No próximo sábado, a partir das 9h, no Hotel Pergamon, em São Paulo, dezenas de ativistas de todo o Brasil, participam de  Seminário promovido pela Aliança Nacional LGBTI+.  

O evento,  que tem como ideia-força “celebrar nossas conquistas e resistir em tempos de ódio “faz alusão ao tema da Parada do Orgulho LGBTI que acontece no domingo e também à decisão do Supremo Tribunal Federal do último dia 13 de junho, que decidiu  reconhecer que a a discriminação e violência contra população LGBTI se configuram como  um tipo de “racismo social” e devem ser punidas. Os ativistas analisam que embora o cenário atual seja de avanço de ideias de extremistas, de retrocesso cultural e até mesmo de desmonte de direitos, com a mais recente decisão do STF, as principais reivindicações históricas  do  movimento LGBTI  - do ponto de vista do  reconhecimento de direitos e  da proteção legal  - foram atendidas.    

A Suprema Corte  brasileira já havia  instituído o  casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, o direito à liberdade de identidade de gênero e a criminalização da homofobia/transfobia. Para o diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI, Toni Reis, a penalização da discriminação  foi um “presente de aniversário de 50 anos de Stonewall e dos 40 anos de movimento LGBTI no Brasil”. Por outro, lado há inúmeros desafios e será necessário renovar táticas, focos e atualizar as agendas, pactuando novas frentes de luta.  Para Julian Rodrigues, do Conselho Consultivo da Aliança Nacional LGBTI+  “a luta cultural, a disputa de ideias na esfera pública, o enfrentamento à onda conservadora e a garantia de políticas públicas passarão a ocupar o centro da agenda do ativismo”. Todos esses temas e outros (como o cenário latino-americano) estarão presentes nos debates que ocorrerão na manhã do próximo sábado.  

O Seminário conta com a parceria da Associação da Parada de São Paulo e também da Rede Gay Latino, além de apoio da Rede Accor de Hoteis.  

Confira a programação do evento: 

Seminário Aliança Nacional LGBTI na Parada do Orgulho LGBTI+ de São Paulo 

São Paulo,  22 de junho 2019 (sábado) 

Local: Pergamon Hotel Frei Caneca, Rua Frei Caneca 80, São Paulo-SP 

50 anos de Stonewall
Celebrar nossas conquistas e resistir em tempos de ódio
9h - 13h
Coordenação: Irina Bacci, Coordenadora da Área Temática Direitos Humanos da  Aliança Nacional LGBTI+  

9h - Boas Vindas e Contextualização – Irina Bacci, Coordenadora da Área Temática Direitos Humanos da Aliança Nacional LGBTI+  

Apresentação de Carta de São Paulo – Cláudio Nascimento, Coordenador da Área Temática Políticas Públicas da Aliança Nacional LGBTI+  

9h15 - Apresentação - Toni Reis, Diretor Presidente da Aliança Nacional LGBTI+:  Lançamento do Congresso Internacional LGBTI+ / Simpósio Acadêmico Internacional LGBTI+; IV Encontro Regional GayLatino; Congresso Nacional da Aliança Nacional LGBTI+; II Seminário de Empresas – networking, diversidade & inovação  

10h –  Contextualização dos Direitos LGBTI e Políticas Públicas na América Latina - Simon Casal,  diretor executivo da rede regional GayLatino  

10h20 - Parada SP 2019: 50 anos de Stonewall: Nelson Matias, conselheiro da Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo   

10h40 - Apresentação Aliança SP - Brunna Valin, integrante da Coordenação da Representação da Aliança Nacional LGBTI+ no Estado de São Paulo  

11h - Conjuntura lutas LGBTI SP - Renata Peron, atriz, cantador e militante; Heloisa Alves , integrante da Coordenação da Representação da Aliança Nacional LGBTI+ no Estado de São Paulo;   

11h20 - Avaliação das ações do governo federal no contexto da comunidade LGBTI+ - Julian Rodrigues, conselheiro da Aliança Nacional LGBTI+    

11h45m - Debate   

12h15 - Encerramento: Irina Bacci - sínteses e encaminhamentos

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247