Roger Waters: “Se Julian Assange é culpado, eu também sou”

Roger Waters, um dos fundadores da banda Pink Floyd, afirmou que se Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, é culpado criminalmente por publicar e divulgar informações de interesse público, ele também é. “Eu vou [para a prisão]”, ironizou

Roger Waters e Julian Assange
Roger Waters e Julian Assange (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - Roger Waters, um dos fundadores da banda inglesa Pink Floyd, afirmou que se Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, é culpado criminalmente por publicar e divulgar informações de interesse público, ele também é. “Eu vou [para a prisão]. Vamos lá, vocês não precisam me extraditar, pois eu já estou nos Estados Unidos. Vocês apenas precisam vir até mim e bater na minha porta”, afirmou o músico em entrevista ao colunista indiano do Brasil de Fato, Vijay Prashad, para o site NewsClick, nesta terça-feira (8). 

“Eles [governo dos EUA] poderiam fazer exatamente isso. Mas teriam de prender centenas de milhares, talvez um milhão de pessoas nos Estados Unidos por compartilharem essas informações, por divulgar, dizer: ‘olhe para isto’”, afirma Waters. 

Entre as revelações, o site WikiLeaks publicou um vídeo no qual iraquianos são atacados com armas de fogo por um helicóptero americano, no dia 12 de julho de 2007. Durante três anos, Waters apresentou o vídeo durante a música Run Like Hell, no show The Wall, entre 2010 e 13 ao redor mundo. Por isso motivo, dispara: “se Assange é culpado, eu também sou.”

“Nós deveríamos, todos, em qualquer sociedade razoável e decente, ter acesso a essas informações. Mas isso é inconveniente para os poderosos”, afirma Waters.

No dia 7 de setembro o Tribunal Criminal Central de Londres retomou o julgamento do processo de extradição de Assange. Caso seja extraditado, Assange será julgado na Corte do Eastern District de Virgínia, conhecida “Corte da Espionagem” e famosa pela tradição de condenações. 

No total, o governo dos EUA apresentou 18 acusações referentes às publicações de 2010 e embasadas no argumento de que Assange violou segredos de segurança nacional com o objetivo de prejudicar a política externa dos EUA. Até a decisão, ele continua preso na penitenciária de segurança máxima de Belmarsh, em Londres, onde está desde abril de 2019.

“Assange é um jornalista muito dedicado e tenta mostrar a verdade das coisas. Tenho certeza que Julian é um ótimo jornalista e inocente de qualquer crime”, conclui Waters.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email