Sambistas fazem manifesto contra o golpe

"O pedido de impeachment à presidenta Dilma Rousseff deu início a um processo de golpe de Estado no nosso país", diz trecho de um manifesto assinado por artistas do samba como Tantinho da Mangueira e Teresa Cristina; o texto lembra que a presidente Dilma Rousseff "não cometeu nenhum crime de responsabilidade", e por isso o movimento que vem sendo articulado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, abraçado pela oposição, deve ser considerado golpe

"O pedido de impeachment à presidenta Dilma Rousseff deu início a um processo de golpe de Estado no nosso país", diz trecho de um manifesto assinado por artistas do samba como Tantinho da Mangueira e Teresa Cristina; o texto lembra que a presidente Dilma Rousseff "não cometeu nenhum crime de responsabilidade", e por isso o movimento que vem sendo articulado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, abraçado pela oposição, deve ser considerado golpe
"O pedido de impeachment à presidenta Dilma Rousseff deu início a um processo de golpe de Estado no nosso país", diz trecho de um manifesto assinado por artistas do samba como Tantinho da Mangueira e Teresa Cristina; o texto lembra que a presidente Dilma Rousseff "não cometeu nenhum crime de responsabilidade", e por isso o movimento que vem sendo articulado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, abraçado pela oposição, deve ser considerado golpe (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Manifesto dos Sambistas Contra o Golpe

Link para evento no Facebook.

As conquistas democráticas no Brasil desde o fim da ditadura militar vêm sendo ameaçadas. O pedido de impeachment à presidenta Dilma Rousseff deu início a um processo de golpe de Estado no nosso país.

Golpe, porque Dilma não cometeu nenhum crime de responsabilidade, e não tem nenhuma prova de corrupção em seu nome. O pedido de impeachment é baseado em metas fiscais anteriores, e por isso não é legal.

Na verdade, o que está em jogo nesse momento é o projeto que reduziu desigualdades, tirou o Brasil do mapa da fome da ONU e levou avanços importantes para a vida dos brasileiros. Dentre eles, a entrada da classe trabalhadora na universidade, o aumento real do salário mínimo, a energia elétrica e o Bolsa Família.

Vivemos um momento difícil provocado por uma crise econômica mundial, que só será superada com a retomada do crescimento. As políticas de arrocho salarial, privatizações e sucateamento dos serviços públicos, defendidas pela oposição, não são o caminho para um Brasil justo e democrático.

Recentemente, em entrevista à Folha de São Paulo, a cantora Beth Carvalho se posicionou dizendo: "O samba é mais de esquerda, é o povo. Nelson Sargento é de esquerda, Cartola também era".

O samba é o gênero que representa a alegria e a indignação do povo brasileiro. De Paulo da Portela a Martinho da Vila, de Zé Kéti a Noca da Portela, foram muitos os baluartes que fizeram história se posicionando politicamente e enfrentando uma luta contra preconceitos étnicos e sociais, em defesa da cultura popular. A luta do samba sempre esteve junto à luta do povo trabalhador.

O posicionamento político dos sambistas deve permanecer vigente! É hora de ir às ruas e construir uma frente ampla em defesa da democracia. Não vamos aceitar outra tentativa de golpe! Estamos lado a lado ao projeto democrático e popular. E vamos defender: Dilma Fica!

Assinam esse manifesto:

Tantinho da Mangueira
Marquinhos Chyna
Zé Luiz do Imperio Serrano
Teresa Cristina
Dorina
Paulo César Figueredo
Marcelo Pizzott
Nelci Pelé
Marina Iris
Gabriel Cavalcante
Rogerio Familia
Luciano Bom Cabelo
Yasmin Alves
Rodrigo Carvalho

Do Cafezinho

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247