TV 247 debate religiões contra o racismo

O rabino Alexandre Leone e a sacerdotisa no Candomblé Janaína Teodoro, que fazem parte da Frente Religiosa por Justiça e Paz Dom Paulo Evaristo Arns, debateram o racismo na TV 247 no Dia Internacional de Combate à Discriminação Racial; assista ao programa

TV 247 debate religiões contra o racismo
TV 247 debate religiões contra o racismo (Foto: Editora Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No Dia Internacional de Combate à Discriminação Racial, celebrado em 21 de março, a TV 247 recebeu em seus estúdios o rabino Alexandre Leone e a candomblecista Janaína Teodoro, para discutir o racismo.

Eles fazem parte da Frente Religiosa por Justiça e Paz Dom Paulo Evaristo Arns, organização composta por várias comunidades religiosas, que atua contra a intolerância e o preconceito.

Janaína afirmou na entrevista que o que motiva o ódio contra as religiões africanas é o racismo. "O candomblé é sinônimo de resistência, pois convivemos com a intolerância, nossos terreiros são cotidianamente atacados. Apesar dos avanços, a demonização contra as religiões de matrizes africanas permanece", diz.

Leone explica que, dentro do judaísmo, existem várias linhas de pensamento. "Há sionistas e sionistas, ou seja, grupos que se baseiam numa linha Netanyahu e outros que defendem a convivência fraterna entre palestinos e israelenses", explica, em referência ao primeiro-ministro de Israel. "A convivência deve ser para além dos estereótipos", defende.

A sacerdotisa no Candomblé considera que a palavra-chave no combate ao ódio e ao preconceito é a educação. "A lei 10.639 fala da educação através da história do povo africano/afro-brasileiro nas escolas, construindo dessa forma a identidade daquela criança negra e ensina a criança não negra o respeito às outras culturas", avalia. "Uma educação multicacetada, em todos os espaços, pois a convivência é fundamental para a formação do cidadão", conclui.

Inscreva-se na TV 247 e assista ao programa:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247