Xico Sá critica forma “vergonhosa de tirar comida das crianças” no governo Alckmin

O escritor Xico Sá criticou o presidenciável pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e a seletividade da Justiça brasileira na condenação de políticos; "O roubo da merenda no governo Alckmin talvez seja a mais vergonhosa forma de tirar comida da boca das crianças para enriquecer tucanos, inclusive promotores. Falo só por falar, sei que são inimputáveis, jamais serão julgados. São chiques e protegidos", escreveu ele em sua conta no Twitter

O escritor Xico Sá criticou o presidenciável pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e a seletividade da Justiça brasileira na condenação de políticos; "O roubo da merenda no governo Alckmin talvez seja a mais vergonhosa forma de tirar comida da boca das crianças para enriquecer tucanos, inclusive promotores. Falo só por falar, sei que são inimputáveis, jamais serão julgados. São chiques e protegidos", escreveu ele em sua conta no Twitter
O escritor Xico Sá criticou o presidenciável pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e a seletividade da Justiça brasileira na condenação de políticos; "O roubo da merenda no governo Alckmin talvez seja a mais vergonhosa forma de tirar comida da boca das crianças para enriquecer tucanos, inclusive promotores. Falo só por falar, sei que são inimputáveis, jamais serão julgados. São chiques e protegidos", escreveu ele em sua conta no Twitter (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O escritor Xico Sá criticou o presidenciável pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e a seletividade da Justiça brasileira na condenação de políticos.

"O roubo da merenda no governo Alckmin talvez seja a mais vergonhosa forma de tirar comida da boca das crianças para enriquecer tucanos, inclusive promotores. Falo só por falar, sei que são inimputáveis, jamais serão julgados. São chiques e protegidos", escreveu ele em sua conta no Twitter.

O falar em "roubo da merenda", o escritor fez referência ao esquema milionário de desvios de recursos da merenda escolar para o financiamento de campanhas eleitorais do PSDB. Funcionários da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) afirmaram em 2016 que o então presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), recebia propina que chegava a 25% dos contratos entre a entidade e o poder público. A máfia, que envolve três cooperativas de agricultura familiar, pode ter atuado em até 152 municípios paulistas, de acordo com documento da Operação Alba Branca.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247