Agência de risco rebaixa nota inglesa

A situação de crédito do Reino Unido sofreu mais um golpe nesta sexta-feira, depois que a Fitch Ratings tornou-se a segunda agência internacional a tirar a nota máxima do país, rebaixando-o para AA+, ante AAA; país de David Cameron já não tem mais a nota máxima

Agência de risco rebaixa nota inglesa
Agência de risco rebaixa nota inglesa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

NOVA YORK, 19 Abr (Reuters) - A situação de crédito do Reino Unido sofreu mais um golpe nesta sexta-feira, depois que a Fitch Ratings tornou-se a segunda agência internacional a tirar a nota máxima do país, rebaixando-o para AA+, ante AAA.

A Fitch citou um cenário econômico e fiscal mais fraco para tal decisão, que é um problema para o governo britânico liderado pelos conservadores devido à sua promessa de reduzir o déficit e proteger o rating do país, quando assumiu em 2010.

"Apesar da perda do rating AAA, o perfil extremamente forte do crédito do Reino Unido está refletido no rating AA+ e na perspectiva de estabilidade", disse a Fitch em seu comunicado.

A Moody's foi a primeira agência a rebaixar o Reino Unido, em fevereiro, e a Standard & Poor's afirmou que há ao menos uma chance em três de fazer o mesmo.

O ministério das Finanças britânico afirmou que a decisão da Fitch é um lembrete de que o país precisa lidar com suas dívidas.

"Essa é uma lembrança severa de que o Reino Unido não pode fugir de seus problemas, ou se recusar a lidar com o legado da dívida construída ao longo de uma década", disse um porta-voz do ministério.

(Reportagem de Daniel Bases, Luciana Lopez, Pam Niimi e David Milliken)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247