Amil: dono bilionário, cliente insatisfeito

Operadora de saúde fundada pelo empresário Edson Bueno está no topo da lista das dez que mais receberam reclamações do Procon de São Paulo no primeiro semestre; demora em conseguir autorização para cirurgias, exames laboratoriais e rejeição desses procedimentos são as principais queixas; enquanto isso, Bueno figura entre os brasileiros mais ricos da Forbes, com uma fortuna de US$ 2,2 bilhões

Operadora de saúde fundada pelo empresário Edson Bueno está no topo da lista das dez que mais receberam reclamações do Procon de São Paulo no primeiro semestre; demora em conseguir autorização para cirurgias, exames laboratoriais e rejeição desses procedimentos são as principais queixas; enquanto isso, Bueno figura entre os brasileiros mais ricos da Forbes, com uma fortuna de US$ 2,2 bilhões
Operadora de saúde fundada pelo empresário Edson Bueno está no topo da lista das dez que mais receberam reclamações do Procon de São Paulo no primeiro semestre; demora em conseguir autorização para cirurgias, exames laboratoriais e rejeição desses procedimentos são as principais queixas; enquanto isso, Bueno figura entre os brasileiros mais ricos da Forbes, com uma fortuna de US$ 2,2 bilhões (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marli Moreira
Repórter da Agência Brasil

São Paulo - A demora em conseguir a autorização para cirurgias, exames laboratoriais e mesmo a rejeição desses procedimentos estão entre as principais queixas contra as empresas dos planos de saúde recebidas pelo Procon de São Paulo. É o que mostra o levantamento feito por esse órgão, vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, nas dez empresas mais reclamadas.

Na lista, o Grupo Amil, formado pelos seguros-saúde da Amil, Amico, Dix e Medial, ocupa a primeira posição, seguida pela Qualicorp Administradora de Benefícios; Green Line; Unimed Paulistana; Sul América; Intermedica; Somel; Universal; Bradesco e Golden Cross.

De acordo com o Procon, entre todas as queixas protocoladas, no primeiro semestre, o setor foi o sexto no ranking. Os registros tiveram leve crescimento em comparação com igual período de 2012, passando de 6,1 mil para 6,5 mil.

As reclamações mais comuns em relação à cobertura assistencial são a demora em autorizar procedimentos; negativa total ou parcial de cobertura ou reembolso com base no Rol de Procedimentos editado pela Agência Nacional de Saúde (ANS), em cláusulas contratuais de exclusão ou em interpretações unilaterais como a alegação de doenças preeexistentes, cita a nota divulgada pelo Procon.

Já em referência à rede assistencial, os problemas mais apontados pelos clientes são a dificuldade em agendar consultas ou exames e o descumprimento de prazos máximos para o atendimento quer seja em consultas, exames ou cirurgias, além de alterações na rede credenciada e a imposição de restrições ao direito de escolha.

O órgão recebe, também, relatos de segurados que tiveram os contratos cancelados sem a devida notificação; de erros no valor cobrado das mensalidades; de atrasos no envio desses boletos de cobrança ou de carteiras e guia médico; de abusos na aplicação de multas por pagamentos em atraso e cobranças feitas após a rescisão contratual.

"Passados 15 anos do marco regulatório do setor, com a edição da Lei nº 9.656/98, continuam os sérios problemas de acesso aos serviços médicos assistenciais e de aplicação de elevados índices de reajuste, com especial vulnerabilidade dos consumidores de planos coletivos, que não contam com adequada proteção da legislação e da própria agência", disse o diretor-executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes, em nota.

Edição: Marcos Chagas

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email