Barbosa, ex-ministro de Dilma: economia dava sinais de recuperação antes do golpe. Erros de Temer impediram retomada veloz

"Temer oportunisticamente criou um teto para seus sucessores”, afirma o ex-ministro da Fazenda e do Planejamento Nelson Barbosa

www.brasil247.com - Nelson Barbosa, Dilma Rousseff  e Michel Temer
Nelson Barbosa, Dilma Rousseff e Michel Temer (Foto: Reuters | PR | Ricardo Stuckert)


247 - O ex-ministro da Fazenda e do Planejamento Nelson Barbosa afirma, em sua coluna na Folha de S. Paulo desta sexta-feira (7), que a economia brasileira dava sinais de recuperação em meados de 2016, antes que a então presidente eleita fosse alvo de um golpe que a tirou do poder.” De fato, houve o frenesi ‘é só tirar a Dilma que a economia melhora", mas essa visão foi rapidamente desmentida pela realidade”, ressalta. 

“Poucas semanas depois do golpe parlamentar, Temer perdeu seu ministro do Planejamento no episódio da ligação "com Supremo, com tudo". Após a saída de Romero Jucá, a nova equipe econômica foi dominada pelo fiscalismo de planilha de assessor parlamentar sem experiência de governo, e isso comprometeu a recuperação da renda e do emprego”, escreve o ex-ministro. 

Ainda segundo Brabosa, “para se diferenciar do teto de gasto proposto por Dilma, que admitia crescimento real da despesa, protegia o investimento e tinha prazo de quatro anos, o "dreadteam" Temer produziu uma aberração: congelamento da maior parte da despesa primária da União, por 20 anos, no valor real de 2016. Devido à correta expansão do gasto no final de 2016, o valor inicial do teto Temer foi folgado. O limite de despesa só se tornaria mais estrito a partir de 2019, ou seja, Temer oportunisticamente criou um teto para seus sucessores”.

Barbosa observa, ainda, que “os criadores do teto Temer disseram que, ao "explicitar o conflito orçamentário", o limite de despesa forçaria o Congresso a fazer reformas fiscais estruturais. Os eventos desde então mostraram quem estava certo. O teto de Temer de gasto adiou a reforma da Previdência, de 2016 para 2019, e gerou uma série de emendas constitucionais ‘fura-teto’, interditando o debate de questões mais relevantes, como a reforma tributária”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email