"Bolsonaro virou motivo de chacota internacional", diz presidente da maior consultoria de risco do mundo

"O presidente de um país não pode confrontar a ciência", afirma Ian Bremmer, presidente da Eurasia Group, que reduziu as expectativas em relação ao Brasil

Ian Bremmer Eurasia
Ian Bremmer Eurasia (Foto: Richard Jopson/CC)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O executivo Ian Bremmer, presidente e fundador da Eurasia Group, considerada a principal consultoria de risco político do mundo, concedeu entrevista à Deutsche Welle e se disse surpreendido pela postura de Jair Bolsonaro perante o avanço da covid-19, a doença provocada pelo coronavírus, no país. Bremmer afirma que a Eurasia baixou as projeções e expectativas para o Brasil em função do cenário atual. "O presidente de uma nação não pode confrontar a ciência e o bem-estar de seus cidadãos. Além disso, ele está minando a sua própria popularidade e causando divisões dentro da base de apoio à agenda de reformas econômicas no Congresso Nacional, o que pode conduzi-lo ao impeachment. No plano internacional, ele virou motivo de chacota", afirma.

"Nós rebaixamos nossas projeções e expectativas para o Brasil em função da crise pandêmica. As principais razões são a condução de Bolsonaro, associada ao risco de que não consiga levar adiante a agenda de reformas econômicas e, em vez disso, volte-se para a sua base populista, mais ligada aos temas de segurança. Isso criaria muitas divisões no país. São elementos que abrem espaço para um impeachment após esta crise", disse Bremmer.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email