Brasil desapareceu do mapa global de investimentos produtivos após o golpe de estado contra Dilma Rousseff

Mídia corporativa lembra que entre 2011 e 2013 o Brasil disputava as primeiras posições com Estados Unidos e China, mas não cita a ex-presidente

www.brasil247.com - Dilma Rousseff, Bolsonaro e Temer
Dilma Rousseff, Bolsonaro e Temer (Foto: REUTERS/Agustin Marcarian | Alan Santos/PR)


247 – Caiu a farsa da mídia corporativa brasileira, que dizia que a "confiança" voltaria se a ex-presidente Dilma Rousseff fosse derrubada, após a divulgação do relatório deste ano da PwC com os presidentes das maiores empresas do mundo sobre os países mais atrativos do mundo para investimentos. "Com inflação de dois dígitos e dúvidas do mercado sobre os rumos de sua política fiscal, o Brasil entrou no ano de eleições presidenciais atraindo menos interesse dos executivos globais para fazer negócios. O país recuou mais duas posições e agora é apenas o 10º mais citado por CEOs de todo o mundo quando eles apontam os principais mercados estratégicos para as suas empresas em um horizonte de 12 meses, segundo pesquisa anual divulgada pela empresa de consultoria e auditoria PwC (antiga Pricewaterhouse Coopers). O levantamento é considerado uma espécie de pontapé inicial das discussões do Fórum Econômico Mundial, em Davos, cujo encontro foi cancelado pelo segundo ano seguido, por causa da pandemia, e ocorrerá virtualmente", escreve o jornalista Daniel Rittner, do Valor Econômico.

"A pesquisa, que desta vez ouviu 4.400 executivos em 89 países, funciona como um grande termômetro das expectativas empresariais para a economia global no começo de cada ano. Entre 2011 e 2013, o Brasil chegou ao terceiro lugar como principal mercado de interesse, dividindo o pódio com Estados Unidos e China, que seguem como os países mais importantes. Desde então, cai uma posição por ano no ranking — com exceção de 2019, estreia do governo Jair Bolsonaro. De 2021 para 2022, foi ultrapassado por Austrália e Canadá, sendo mencionado por só 4% dos executivos e indo para 10º lugar. Cada CEO cita três mercados", aponta ainda o jornalista.

Portanto, entre 2011 e 2013, nos três primeiros anos do governo Dilma, o Brasil viveu seu melhor momento global. A partir de junho de 2013, com as "manifestações contra o aumento de vinte centavos" nas tarifas de ônibus, teve início a guerra híbrida contra o Brasil, que teve como objetivos derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff, prender o ex-presidente Lula, implantar um choque neoliberal na economia e transferir a renda do pré-sal da sociedade brasileira para acionistas privados (sobretudo internacionais) da Petrobrás.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email