Brasil, um país cada vez mais primário

As vendas de commodities hoje representam 51% do total das exportaes. At 2007, eram 40%

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um estudo do Ipea, divulgado nesta terça-feira, confirma o que já se sabia: as matérias-primas ganharam espaço na pauta brasileira de exportações. Maso estrago pode ser maior do que o imaginado, segundo texto do próprio instituto: "desde os anos 1990, a participação das commodities nas exportações brasileiras oscila ao redor dos 40%. Entre 2007 e 2010, esta participação saltou dez pontos percentuais, alcançando 51% das exportações brasileiras", informou a entidade. Pior: ao mesmo tempo, o País perdeu importância nas transações globais de produtos de maior valor agregado tecnológico.

Embora as commodities sustentem preços elevados nos últimos anos, "tal resultado reflete também a perda de competitividade do país no comércio internacional em todos os outros grupos de produtos, especialmente os mais intensivos em tecnologia", informa o Ipea. Entre 2006 e 2009, o Brasil perdeu participação de mercado nos vários grupos de produtos, com exceção de commodities e petróleo, segundo o Ipea. A desvalorização do dólar e o crescimento econômico de países como a China aumentaram a demanda por commodities e provocaram esse movimento. O Ipea revela ainda que a perda de importância do Brasil nos produtos de maior intensidade tecnológica se tornou mais crítica depois da crise de 2008.

Tecnológicos em baixa

De acordo com a entidade, as exportações brasileiras de commodities primárias passaram a representar 4,66% das exportações mundiais desses itens em 2009, ante 2,77% em 2000. No mesmo período, a participação do Brasil no comércio mundial de bens subiu de 0,88% em 2000 para 1,26% em 2009. Perdeu, no entanto, espaço nas exportações de alta intensidade tecnológica: passou de 0,52% em 2000 para 0,49% em 2009.

"Apesar do avanço significativo, é possível observar que estes ganhos estão concentrados

no grupo commodities", diz o Ipea no artigo "A primarização da pauta de exportações no Brasil: ainda um dilema", do boletim Radar elaborado pela entidade. Ainda segundo o Ipea, o Brasil ganhou espaço no mercado de forma significativa entre 2000 e 2006 nos produtos de média intensidade tecnológica, entre os quais estão automóveis e máquinas e equipamentos, mas começou a perder espaço desde então.

Somando-se os produtos de média e alta intensidade tecnológica, o Brasil detinha 0,57% das exportações mundiais em 2000, alcançando 0,71% em 2006. Entretanto, a partir de 2006, o país começa a perder mercado nestes produtos de forma significativa e em 2009 detém 0,6% do mercado mundial, de acordo com o Ipea.

Minérios em alta

De acordo com os dados do Ipea, o país aumentou em 2010  seu nível de exportações de minérios, principalmente minério de ferro, em relação a 2009, e este produto foi o principal responsável pelos 51% do total exportado em commodities em 2010.

O Ipea destaca ainda que o açúcar também teve papel importante em 2010, crescendo em participação total, enquanto itens como carne e soja tiveram uma participação proporcional na pauta de exportações brasileira menor que em 2009. "No caso da soja, além do aumento da exportação de outros produtos, uma explicação possível é a competição com os EUA, que exportaram mais para o maior país asiático", diz o estudo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email