Caos no bolsonarismo: candidato diz que seu vice ofende trabalhador

Se agrava o clima de desentendimentos entre o candidato da extrema-direita a presidente, Jair Bolsonaro (PSL), e o seu candidato a vice, Hamilton Mourão (PRTB); nesta tarde, pelo Twitter, Bolsonaro criticou as declarações de Mourão em defesa do fim do décimo-terceiro salário, afirmando ser uma "jabuticaba"; para Bolsonaro, declaração de seu vice ofendem a população; "O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (não passível de ser suprimido sequer por proposta de emenda à Constituição). Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição", diz ele

Caos no bolsonarismo: candidato diz que seu vice ofende trabalhador
Caos no bolsonarismo: candidato diz que seu vice ofende trabalhador

247 - Se agrava o clima de desentendimentos entre o candidato da extrema-direita a presidente, Jair Bolsonaro (PSL), e o seu candidato a vice, Hamilton Mourão (PRTB); nesta tarde, pelo Twitter, Bolsonaro criticou as declarações de Mourão em defesa do fim do décimo-terceiro salário, afirmando ser uma "jabuticaba". 

"O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (não passível de ser suprimido sequer por proposta de emenda à Constituição). Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição", disse Bolsonaro pelo Twitter.

Leia mais sobre o assunto na matéria da agência Reuters. 

 Reuters - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, usou no início da tarde desta quinta-feira uma rede social para garantir que é impossível acabar com o décimo terceiro salário e que quem sugere isso desconhece a Constituição, em um duro recado indireto a seu colega de chapa, o general da reserva do Exército Hamilton Mourão (PRTB).

Candidato a Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro 09/08/2018 REUTERS/Paulo Whitaker
Na véspera, Mourão se referiu a esse pagamento aos trabalhadores como "jabuticaba brasileira" e defendido a realização de uma reforma trabalhista "séria".

"O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (não passível de ser suprimido sequer por proposta de emenda à Constituição). Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição", disse Bolsonaro, em sua conta no Twitter.

O candidato a presidente, que se recupera em um hospital do atentado à faca que foi alvo no dia 6, não fez qualquer menção direta a seu colega de chapa no tuíte.

Em palestra no Clube dos Diretores Logistas de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, na quarta-feira, Mourão criticou o pagamento dessa verba remuneratória.

"Jabuticabas brasileiras, décimo terceiro salário. Se a gente arrecada 12, como é que nós pagamos 13? É complicado. É o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais, é aqui no Brasil. São coisas nossas, a legislação que está aí. É sempre a visão dita social com o chapéu dos outros, não com o chapéu do governo", disse.

O candidato a vice sugeriu também a realização de uma nova reforma trabalhista a fim de reduzir encargos para o empregador.

"Nós sabemos perfeitamente o custo que tem o trabalhador, essa questão do imposto sindical e tal em cima da atividade produtiva, é o maior custo que existe", disse, ao considerar que há "algumas jabuticabas" que comparou serem "mochilas nas costas" de todo o empresariado.

Na reta final da campanha do primeiro turno, os adversários de Bolsonaro na corrida presidencial não perderam tempo.

"Eu não posso ser a favor, como disse aí o general Mourão, que o décimo terceiro é uma jabuticaba brasileira", disse o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, nesta quinta-feira, após participar de uma feira com entidades religiosas na capital paulista.

"Não é possível achar que o trabalhador que a trabalhadora, que sua a camisa, que trabalha, que muitas vezes é até explorado, não tenha direito nem a ter um décimo terceiro salário, isso não é razoável", acrescentou o tucano.

A campanha de Bolsonaro já tinha se envolvido em outra séria polêmica econômica, quando a mídia noticiou que o coordenador econômico, Paulo Guedes, estaria estudando a possibilidade de recriar um tributo nos moldes da CPMF.

Na ocasião, o presidenciável também teve que intervir para tentar evitar um estrago maior na sua candidatura.

"Ignorem essas notícias mal intencionadas dizendo que pretendemos recriar a CPMF. Não procede. Querem criar pânico pois estão em pânico com nossa chance de vitória. Ninguém aguenta mais impostos, temos consciência disso", escreveu o presidenciável em sua conta no Twitter.

Por Ricardo Brito, em Brasília

 

 

 

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247